31 de jan de 2012

Alfabeto e números com bola

numerologia3Eu já expliquei aqui como praticar o alfabeto com uma bola. Para ver mais, clique no link.

O mesmo jogo pode ser usado para praticar os números, até onde você ensinou. Digamos que você tenha ensinado de 1 a 50, então coloque os alunos em círculo, diga o número 1 (em inglês ou espanhol) e jogue a bola para um aluno do círculo, que deve dizer o número 2 e jogar a bola para outro aluno que deve dizer o número 3 e assim por diante, até que alguém erre.

O aluno que errar ou não souber sai do círculo (e vai continuar aprendendo, vendo os outros jogarem). A bola volta para o professor que começa do 1 novamente.

O vencedor será o aluno que permanecer até que os outros tenham saído. O professor não participa da brincadeira, apenas recomeça-a quando é interrompida.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

30 de jan de 2012

Jogo do ABC para vocabulário

vocabulárioEsse jogo já foi descrito aqui e é muito interessante porque favorece não só a aquisição de vocabulário como também ajuda a melhorar a pronúncia dos alunos.

Tanto na aula de inglês como de espanhol o professor pode preparar vários cartões com tópicos de vocabulário (animais, partes do corpo, disciplinas escolares, etc.). Os alunos ficam em círculo e o professor escolhe um cartão de forma aleatória (animal, por exemplo) e diz uma comida que comece com a letra A. O aluno de sua direita deve dizer um animal com a letra B, o seguinte com a C e assim por diante.

Quando um aluno errar ou não souber, sai do círculo. O próximo aluno depois dele escolhe um cartão e a brincadeira começa novamente com o novo tópico, começando da letra A até alguém errar.

Os alunos vão saindo do círculo até que sobre apenas um, que será o vencedor. O professor apenas inicia o jogo mas não participa da brincadeira.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

29 de jan de 2012

Jogo para praticar adjetivos

quem-sou-euDepois de ensinar os adjetivos em inglês (você pode adaptar o jogo para sua aula de espanhol) o jogo do personagem oculto (que você pode ver clicando no link) é uma forma muito boa de praticar.

Antes de preparar o jogo procure descobrir quais são os ídolos dos alunos, os personagens que estão em evidência na época e assegure-se de que seja alguém realmente bem conhecido tanto por você (para julgar se estão usando os adjetivos de forma correta) quanto por eles (para entenderem como usar os adjetivos).

Você tanto pode indicar os personagens que eles irão usar (melhores resultados) ou permitir que o aluno escolha e diga a você. Ou pode também fazer o jogo em duas partes, na primeira com todos os grupos concorrendo entre si e você escolhendo o personagem, e depois promova uma “negra” entre os dois grupos com maior pontuação, com o aluno escolhendo seu personagem.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

28 de jan de 2012

Jogo para conversação em inglês ou espanhol

balões de fala - sem falaEsse jogo foi inspirado num quadro de um programa de humor que eu vi num vídeo do YouTube, achei muito engraçado e também que seria muito bom se adaptado para praticar conversação de inglês.

Ele é mais indicado para alunos de nível avançado, mas também pode ser usado com alunos de intermediário. O jogo é o Troca Tudo e clicando no link você verá a versão em inglês.

A versão em espanhol é semelhante, prepare cartazes com lugares (aeroporto, rua, igreja, escola, etc.). Escolhe-se uma dupla que tira um cartão com um lugar e os alunos do outro grupo vão decidir sobre o que conversarão (pedindo informação, fazendo check in, comprando um remédio, etc.).

Os alunos começam e quando dizem uma frase (Usted tiene que volver a la derecha.) o professor diz: “Cambia”, o aluno tem que repetir a frase mudando uma parte (Usted tiene que volver a la izquierda.) o professor diz novamente: “Cambia” e o aluno tem que mudar a frase novamente (Usted tiene que seguir adelante tres cuadras.).

Não pode haver demora, se erraram assume um par de alunos de outro grupo. Fizemos esse jogo na aula de inglês e demos muita risada, é muito engraçado porque na pressa os alunos dizem coisas absurdas, mas não importa: a frase tem que estar gramaticalmente correta e dentro do contexto.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

27 de jan de 2012

Jogo da memória–primeiro dia de aula

memoria-tagcloud1No primeiro dia de aula você precisa apresentar um jogo que coloque os alunos mais à vontade mas que também favoreça o conhecimento, já que nem todos estudaram juntos desde o início, e sendo sua primeira aula nessa classe você precisa conhecer mais seus alunos, ou pelo menos memorizar seus nomes.

Esse jogo ajuda a memorizar os nomes dos alunos e também pode ser usado para reforçar alguns tópicos de gramática. Se o objetivo é apenas apresentar a classe, basta executá-lo em português. Se você é professor de inglês ou espanhol aproveite para revisar algumas palavras de vocabulário enquanto revisa gramática básica (pronomes pessoais, verbo ser, artigos).

O jogo está descrito aqui, bem como sua preparação e regras. Prepare alguns cartões a mais para o caso de aparecerem alunos de última hora, que não estavam em sua lista de chamada.

O jogo toma bastante tempo se houver muitos alunos, mas vale a pena, é melhor do que simplesmente pedir a cada um que diga o próprio nome e fale um pouco de si, o que é chato e repetitivo e embaraçoso para os alunos mais tímidos.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

26 de jan de 2012

Enquetes do blog

enqueteAcabei de adicionar duas enquetes na barra lateral esquerda do blog, a ideia é coletar o maior número de respostas possível para publicar prioritariamente os jogos e dinâmicas considerados mais importantes pelos leitores.

Como há centenas de dinâmicas a publicar, fica difícil na hora de decidir o que colocar primeiro no blog. Procuro atender os pedidos que recebo, mas como nem todos utilizam o formulário acredito que uma enquete irá contemplar a maioria dos leitores.

Para que sua opinião seja computada participe das enquetes do blog, deixando sua opinião. As respostas serão aceitas até 30/05/2012 e no dia 31/05 serão publicados os resultados, que serão usados como parâmetro na decisão da ordem de publicação das postagens do blog.

Caso queira fazer considerações ou enviar sugestões, utilize o formulário de contato (na rodapé do blog).

Zailda Coirano

Website      Loja Virtual      Web Rádio      Facebook      Twitter

Jogo para praticar “present perfect”

1254576759Os alunos de inglês têm uma dificuldade tremenda para entender quando usar o “present perfect”. Quando eu ensino o “simple past” uso o jogo “I went to the supermarket yesterday and I bought...” e quando aprendem o “present perfect” uso a variação “I’ve gone to the supermarket and...”

Para ver como jogar clique aqui e leia o artigo original, onde o jogo já foi explicado no blog.

Outra forma de praticar é o jogo I’ve never / ever:

Preparação

Num documento do Word escreva frases incompletas, de acordo com as sugestões abaixo:

I’ve never been to...

I’ve never bought a...

I’ve gone to… and I loved it.

I’ve never stayed at…

My parents have never…

My mother has… only once.

My father has never…

E outras frases do gênero. O importante é incluir verbos que eles já conheçam, assim terão facilidade para continuar as frases.

Recorte as frases, dobre-as e coloque num saquinho ou caixa.

Como jogar

Divida a classe em dois grupos.

O primeiro aluno do primeiro grupo tira uma frase, lê em voz alta completando-a.

Se estiver correto, o grupo ganha um ponto. Ele deverá então perguntar a um elemento do outro grupo: “What about you?”

Se o aluno do outro grupo fizer uma frase correta da primeira vez, será o próximo a tirar a frase.

Se o aluno errar, o primeiro grupo ganha mais um ponto e o segundo aluno do mesmo grupo retira a próxima frase.

Ao final distribua prêmios para o grupo vencedor, uma bala a cada membro do grupo perdedor.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

25 de jan de 2012

Jogos para praticar inglês

show do milhãoPara aprender é preciso praticar, mas não é necessário praticar com uma lista de frases para preencher. Podemos usar jogos que favoreçam a prática do que foi ensinado.

Esses jogos são importantes tanto quando acabamos de introduzir tópicos novos de vocabulário ou gramática, quanto antes de uma prova, quando é necessária uma revisão para refrescar-lhes a memória e reforçar pontos que não entenderam muito bem.

Um jogo que serve para praticar uma boa quantidade de palavras e que pode ser usado após algumas lições, incluindo todo o vocabulário até ali, ou que pode ser usado antes de uma prova como revisão é o game show. É necessária uma boa preparação e tomará o tempo de pelo menos uma aula, mas eles adoram.

Além de preparar as questões e dividir por nível de dificuldade atribuindo valores, você também deve ter notas pequenas (encontradas em bazares e papelarias) para representar o quanto cada aluno ganhou.

Ao final do jogo premie os vencedores (eles devem contar quanto têm em “dinheiro” para ver quem é o vencedor.

Se você tem vocação para o teatro a aula será muito boa. Use sua imaginação e sinta-se como o Silvio Santos em “tudo por dinheiro”.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

24 de jan de 2012

Alfabeto em inglês ou espanhol

Alfabeto-patchwork-2Eu não sou apreciadora de “decoreba”, então não digo aos alunos para decorarem os sons do alfabeto quando ensino inglês ou espanhol. Também não ensino a canção “ABC” antes que aprendam tudo, porque já percebi que alunos que memorizam o alfabeto dessa maneira têm dificuldade para lembrar o som de uma determinada letra sem cantar a musiquinha até chegar nela.

Ensino o alfabeto, eles vão repetindo, em colunas de 4 ou 5 letras cada. Ensino cada letra, passo à seguinte enquanto vão repetindo. Volto então ao grupo anterior de 4 ou 5 letras e eles vão repetindo sem que eu fale. Sigo assim, ao final retorno ao primeiro grupo (A, B, C, D, E) e vou apagando as letras que conseguem lembrar sem dificuldade.

No final sobram apenas as que têm mais dificuldade para memorizar, então continuo com elas, apontando enquanto vão repetindo, até que memorizem todas.

Escrevo algumas palavras e peço a alguns alunos para soletrarem. Depois digo palavras e eles têm que soletrar sem que eu as escreva. Na aula seguinte faço o jogo.

Preparação do jogo

Abra um documento do Word, coloque várias palavras longas numa lista.

Aumente o tamanho da letra para que fiquem apenas 4 ou 5 em cada página.

Imprima em cartolina ou papel Filipaper grosso.

Corte as palavras em tiras.

Como jogar

Divida a classe em trios.

Chame um aluno do primeiro trio.

Ponha-o de frente para a lousa, de forma que fique de costas para a classe.

Pregue uma palavra em suas costas.

Os alunos de seus trio devem soletrá-la.

O aluno que está na frente deve dizer a palavra em voz alta.

Caso o primeiro aluno do trio soletre errado, o outro deve soletrar a palavra.

Se o aluno acertar, o trio ganha um ponto.

Continue assim até que todos os trios tenham participado e todas as palavras tenham sido usadas.

Nota: é importante usar palavras que eles conheçam.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

23 de jan de 2012

Dinâmica com jujubas–primeira aula

jujubasÉ muito importante criar uma atmosfera favorável para o aprendizado já no primeiro dia, e também é valioso conseguir informações sobre os alunos, dessa forma conseguiremos preparar uma aula “customizada” que atenda às suas necessidades e contemple seus interesses. As aulas preparadas com o cuidado de inserir informação nova na realidade de cada aluno, mostrando como usar essa informação de forma prática têm muito mais chances de serem bem recebidas e de motivarem os alunos a colaborar buscando o aprendizado.

Já usei essa dinâmica diversas vezes em classes de adolescentes e adultos com muito bons resultados. Tudo o que você precisa é de um pacote de jujubas que contenha 4 vezes o número de alunos.

Prepare um cartaz onde a cor de cada jujuba corresponda a uma área específica da vida de cada um. Como exemplo você pode colocar: rosa – amor; vermelho – vida profissional; branco – estudos; verde – família; amarelo – amigos, e assim por diante, dependendo das cores das jujubas no saquinho.

No primeiro dia de aula, coloque os alunos em círculo e vá passando o saquinho com jujubas para cada aluno. Cada um deve pegar 4 (de cores diferentes) e colocá-las sobre a carteira. Depois que todos tiverem escolhido suas 4 jujubas pegue também 4 e cole o cartaz com as cores e respectivas áreas na lousa.

Explique que cada um deve escolher uma das quatro jujubas e falar um pouco sobre a área correspondente à cor da jujuba. Escolha uma e comece, se escolheu a branca, por exemplo, fale de seus estudos, seus diplomas, seus cursos. O primeiro aluno à sua direita deve começar logo depois de você, primeiro escolhendo uma das quatro jujubas que pegou.

Siga assim até o final, cada aluno terá opção de quatro áreas, escolhendo a que for mais confortável. Dessa forma ao final todos saberão um pouco mais sobre cada um, e ninguém será obrigado a falar sobre o que não quer.

Depois de terminado o jogo cada aluno pode comer as jujubas que pegou.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

22 de jan de 2012

A primeira impressão

apresentaçãoDe acordo com a sabedoria popular, “a primeira impressão é a que fica”. Não que isso seja verdade em 100% das vezes, mas é fato que depois de causar uma primeira má impressão fica mais difícil conseguir reverter o quadro.

Em nosso primeiro contato com a classe no primeiro dia de aula ficará estabelecido se eles “gostam” ou não de nós. Podemos ser favorecidos nesse primeiro encontro conquistando sua simpatia ou podemos também criar muros quase intransponíveis.

Se temos que nos aproximar dos alunos – pois deles depende o sucesso de nossa empreitada de “ensinar” – criar uma atmosfera de animosidade e autoritarismo logo no primeiro dia nos dará material para dores de cabeça maiores e menores durante todo o semestre.

Mais sábio seria cativá-los no primeiro instante trazendo-os para o nosso lado, mostrando que aprender além de útil pode também ser prazeroso. Podemos motivá-los e tê-los como aliados já no primeiro dia ou podemos armá-los contra nós até os dentes, e nesse caso podemos ter a certeza de que o ano letivo será uma batalha na qual já começamos perdedores, pelo menos em número.

Não acredito em “fazer de tudo” para conquistar a simpatia da classe. Acredito em conquistar a confiança deles mostrando antes de tudo quem eu sou realmente. Se alguém simplesmente “não gostar” de mim, que seja algo pessoal e natural, e não visceral.

Ninguém é obrigado a simpatizar com ninguém, nem isso é necessário. O que precisa ficar evidente é que você está do lado deles, que seu objetivo é antes de tudo prover meios para que o aprendizado aconteça da forma mais rica e criativa possível. Deixe que eles vejam em você um facilitador, alguém mais experiente com quem sempre poderão contar, independente de simpatias e antipatias, que são pessoais.

“Não ir com a minha cara” é uma coisa; achar que eu sou uma bruxa contra a qual precisam se proteger atacando-me é outra bem diferente. Não mascaro o fato de que sou exigente, não tolero preguiça, detesto mentiras. Essa sou eu. Mas também fica claro desde o primeiro dia que – apesar de ser assim – minha preocupação é com eles, meu compromisso é com o bem-estar deles. Esse compromisso é sentido desde o primeiro momento, porque é verdadeiro.

Querer que eles aprendam e cooperem comigo não significa – e isso deixo claro – que não haverá regras, que podem fazer o que bem entendem. Significa que tudo será planejado da forma mais agradável possível para todos. Significa que tudo o que eu puder fazer para ajudar eu farei. Mas sem abrir mão da pessoa que eu sou.

Apesar de dar aulas de idiomas fica comprovado desde o início que as leis da física funcionarão perfeitamente dentro da sala de aula – ação e reação. Se fizerem o que se espera deles haverá tempo suficiente para atividades lúdicas e interessantes; se eu tiver que ficar chamando-os a todo momento de volta ao que têm que fazer perderemos tempo e não teremos atividades extras, ficaremos somente no feijão-com-arroz.

Faço pactos com os alunos e sempre cumpro a minha parte; com o tempo eles se acostumam a cumprir a deles. Eu nunca digo: “na próxima aula vou ensinar uma música”. Eu digo: “se terminarmos o que estamos fazendo com bons resultados até (estabeleço horário limite) teremos tempo para ver a música que eu trouxe hoje”. Se terminarem um minuto depois não haverá essa atividade, sou inflexível quanto a horários. Quem perdoa 5 minutos também perdoará 50, por que não?

Explico a eles que não aceitarei atrasos sem justificativa porque só me atraso se tiver uma justificativa excelente e sempre me desculpo com eles; que faltas só terão reposição com atestado, porque só falto se tiver um; que não aceito que liguem o celular em classe porque eu jamais ligo o meu enquanto fazem exercícios; que lição de casa depois do prazo tem que ser entregue e terá nota zero, porque eu jamais deixo de enviar os boletins em dia e de corrigir as provas para a aula seguinte.

Não permito palavrão em sala porque também não os uso; não permito que ponham os pés na cadeira porque também não o faço, em respeito ao ambiente onde estou; não aceitarei desrespeito porque sempre os respeitarei. As regras valem para todos e eu sou a primeira a cumpri-las.

Não deixo de colocar as regras, mas também deixo claro que teremos diversão. No primeiro dia sempre preparo atividades que os colocarão à vontade, promoverão uma atmosfera agradável, favorecerão o ensino e entrosamento mesmo com os alunos novos que são estranhos ao grupo – como eu também o sou.

Nesse primeiro encontro é importante que você tenha uma dinâmica ou jogo, se entrar diretamente na matéria o rendimento será baixo, depois de várias semanas sem contato com livros. Segue abaixo uma lista de dinâmicas já publicadas aqui no blog que podem ser do seu interesse:

Verdade ou mentira?

Entrevista

Dinâmica com barbante

Dinâmica para o primeiro dia de aula

Caso você use alguma delas e queira compartilhar os resultados, deixe seu comentário abaixo desse artigo ou no mural de recados na lateral do blog.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

21 de jan de 2012

Porque “coelho da cartola”

coelhoJá me fizeram essa pergunta inúmeras vezes, mas nunca escrevi uma postagem especificamente para explicar meus motivos. Acredito que eles mereçam um artigo, já que a razão desse blog e também de seu nome é algo no qual acredito e que faz parte de minha filosofia de trabalho.

Surpreenda seus alunos

Os alunos se queixam de certas aulas que consideram “chatas”, nas quais o professor faz tudo sempre igual. Já podem até adivinhar qual será a atividade que virá a seguir. Ano após ano isso pode sufocar a vontade natural que todos temos de aprender, e nosso objetivo não é esmagar um sentimento que pode ser uma mola propulsora de força incalculável rumo ao aprendizado.

Gastamos tanto tempo e fosfato procurando formas de motivar os alunos e acabamos matando seus impulsos naturais que os levam a aprender. Então eu sou terminantemente contra aulas que se desenvolvem sempre da mesma forma. Não sou adepta da “rotina”, quando essa significa estagnação e rigidez.

Claro, temos que apresentar matéria nova, explicá-la e depois fornecer a prática. Quanto a isso não há nem pode haver mudanças. Mas como faremos isso é que é a chave da questão.

Onde o coelho entra nessa história

Na verdade o coelho não entra, ele sai. Trata-se de ter sempre à mão um dado, alguns prêmios, um jogo. Surgiu a oportunidade, sobraram 10 minutos ao final de uma aula, os alunos estão cansados depois de duas aulas de português e duas de matemática? Então é hora de tirar o meu coelho da cartola.

Como crianças de olhos brilhantes vendo o mágico no circo, eles também demonstrarão a alegria da grata surpresa, o encantamento dos que foram premiados sem esperar. Também terão entusiasmo para participar se por acaso o mágico os chamar para segurar o coelho enquanto o faz desaparecer de novo em sua cartola.

Tantas vezes a mágica, tantas vezes o encantamento. Então decidi compartilhar esses jogos, as dinâmicas, as ideias. Para que nunca um professor entre numa sala de aula com sua cartola de mágico vazia.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

20 de jan de 2012

Prêmios para os ganhadores

trofeuSempre que publico um jogo competitivo aqui recomendo que se dê um prêmio aos vencedores, que não precisa ser algo de muito valor. Os professores não ganhamos um salário astronômico e alguns de nós precisam dar aulas em duas ou três escolas para completar a carga horária e receber um salário decente que lhes permita sobreviver com dignidade, portanto não temos como dar prêmios de grande valor, o prêmio é apenas simbólico.

Mesmo sendo apenas algo de valor simbólico, o aluno o ostenta com orgulho porque é o resultado de seu desempenho frente aos demais. Quem não gosta de ganhar? E – mais ainda – quem não gosta de ganhar um presente, prova física de aceitação, bom desempenho, uma lembrança que seja?

Distribuindo prêmios como parte da rotina dos jogos você estará também incentivando os alunos a competirem, estará dando a eles um motivo a mais para participar da prática, tão importante para o aprendizado. Quando se prepara um jogo, o que se espera é que os alunos dele participem com entusiasmo e não que o encarem como uma “prova” para testar seus conhecimentos.

Até mesmo em classes de adultos o prêmio funciona, é frequente ver o ar admirado e satisfeito dos meus alunos ao receber um punhado de balas. O fato é que o aluno já espera ser punido por mau comportamento, mas a premiação por um bom desempenho não é esperada, então torna-se uma agradável surpresa. Com o tempo e a repetição será um alvo almejado. Quando também perceberem que aprenderam – enquanto se divertiam – esse fato será encarado como outra grata surpresa.

No passado os professores eram austeros e distantes, davam a impressão de competir entre si para verem quem conseguia aterrorizar mais os alunos, ou quem conseguiria aterrorizar mais alunos. Hoje a coisa mudou, o relacionamento professor / aluno se constrói com confiança, respeito, amizade. Tiramos partido de atividades prazerosas para motivar os alunos a aprenderem e persistirem, e qualquer fator que contribua para fortalecer essa relação e essa motivação não pode ser deixado de lado.

Como todo professor que eu conheço, eu também não estou nadando em dinheiro. Tenho portanto os meus truques para manter um “estoque” de prêmios para quando surgir a ocasião de usá-los.

Mantenha seu estoque em alta

Pouco antes do início do ano letivo ou logo que ele se inicia e os professores passam as famosas listas de material é também o período quando o material escolar está mais caro em bazares, livrarias e supermercados, então eu fujo desses locais nessa época. Nos outros meses costumo freqüentar esses locais (bem como lojas de 1,99) e procuro por ofertas.

Nos meses de março e setembro o material escolar costuma cair de preço, pois é encarado como “encalhe”, o que não foi vendido antes do início das aulas, então as canetas, lapiseiras, borrachas perfumadas, bloquinhos de recado, grampeadores pequenos e outros itens escolares estão pela metade do preço ou três pelo preço de dois. Nessa época eu visito as lojas e reponho o estoque que usarei durante o semestre.

Com 20 ou 30 reais eu faço uma festa, escolhendo o que é mais útil ou mais atraente. No mês de março valem também as agendas, que são muito apreciadas pelos adolescentes até uns 14 anos, que as usam como diário, colam nelas suas fotos, escrevem poemas.

Mensalmente vou às lojas de doces e com 10 reais compro pacotes de balas (comprados em pacotes saem bem mais em conta), bombons recheados e a tradicional caixinha de bis.

Mantenha-se preparado

No início de cada mês eu já coloco meu estoque em meu armário na escola e vou usando os itens à medida que forem necessários. Quando tenho um jogo planejado deixo os prêmios em minha bolsa ao subir para a classe.

Nesse armário eu também mantenho um dado grande de espuma, que me custou  3 reais e que faz os alunos arregalarem os olhos quando o veem em minhas mãos. Faço acordos com meus alunos, os jogos serão feitos sempre que houver tempo disponível, então quando levo um dado para a sala ele pode acontecer ou não, dependendo do tempo que levam para executar cada tarefa. Dessa forma eles cumprem à risca o tempo dado – e sempre que dou uma tarefa estabeleço um tempo – para não perderem a oportunidade de participar da brincadeira.

Se eu divido a classe em grupos para fazerem alguns exercícios e um aluno começa a conversar, imediatamente os outros chamam sua atenção dizendo que se não terminarem dentro do tempo marcado ficarão sem jogar. O aluno distraído imediatamente volta ao trabalho sem que eu tenha que intervir para resolver a situação.

Distribuição de prêmios

Deve-se tomar muito cuidado ao atribuir prêmios, principalmente em classes de crianças. Assim como o prêmio funciona emocionalmente como uma motivação positiva, o fato de não ganhar nada frustra as crianças, especialmente as menores. Elas sentem-se injustiçadas e preteridas quando não ganham nada. Como nunca sei o grau de maturidade emocional de meus alunos ou como lidam com a frustração, mesmo em classes de adultos dou um prêmio de consolação aos perdedores.

Nessa hora o saco de balas funciona muito bem, a cada membro dos grupos perdedores dou uma bala e sentem-se recompensados por sua participação. Da próxima vez se esforçarão mais para conseguir melhor resultado.

Uma colega dividia a classe em grupos e fazia jogos frequentemente, dando um bis a cada vencedor. Aos perdedores não dava nada. Acontece que sua classe era de crianças com idade variando entre 6 e 8 anos, e após duas semanas nessa prática foi surpreendida por um grupo de mães indignadas cujos filhos recusavam-se a voltar à escola.

Uma das mães inclusive disse que a filha de 7 anos chegava em casa chorando todos os dias, porque nunca ganhava nada. Por coincidência a professora ao dividir a classe em grupos sempre a colocava num grupo que perdia no final, em duas semanas de jogos a menina não ganhara uma bala sequer.

Sob a ótica da professora tudo estava normal e justo, mas como explicar a uma criança de 7 anos que todos os outros alunos já tinham recebido suas balas, bombons e material escolar e só ela não havia recebido nada? Como fazer com que ela lidasse com tamanha frustração?

Colocando-se no lugar do aluno, como você se sentiria se tivesse sete anos de idade? Seria possível convencê-lo de que não havia nada errado com você, que a professora gostava de você tanto quanto dos outros? E – mais ainda – seria possível convencer essa mãe de que sua filha estava recebendo um tratamento justo e não estava sendo preterida?

Para evitar situações assim eu prefiro sempre premiar a todos, seja um prêmio um pouco melhor para premiar um bom desempenho, ou um prêmio mais simples e simbólico por participação.

A ideia ao premiar os alunos após jogos competitivos é estimular e motivar, nunca castigar ou humilhar ninguém. E muito menos ferir seus sentimentos.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

19 de jan de 2012

O que ele estava fazendo?

aposentadoEsse jogo não dá muito trabalho na preparação, você precisa apenas criar uma frase e depois fazer uma lista de verbos. Recorte os verbos como cartões ou em tiras e coloque sobre a mesa, virados para baixo.

Crie uma pergunta (What was Dad doing when Lucy got home?) de acordo com os verbos que você escolher. Chame um aluno, que deverá escolher um cartão. Ele deverá fazer mímica para que os alunos descubram o verbo de ação escolhido. O aluno que acertar deve usá-lo na frase.

Por exemplo: verbo de ação “swim”, o aluno que acertou o verbo deve dizer: When Lucy got home Dad was swimming.

O aluno que acertou será o próximo a escolher um cartão e fazer a mímica.

O aluno que acertar mais (fizer mais pontos) será o ganhador e seria uma boa ideia dar algum tipo de “prêmio”, como um chocolate ou material escolar (caneta, borracha, etc.).

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

18 de jan de 2012

Estátua

Estátua de João Saldanha estudoEsse jogo ajuda na expressão oral, ótimo para professores de idiomas que têm alguns minutos disponíveis no final da aula.

Como jogar

Divida a sala em dois grupos.

Escolha um aluno de um grupo.

O aluno escolhido deve sair da sala.

Fique em uma posição, como estátua, espere alguns minutos para que os alunos a memorizem.

Peça ao aluno escolhido para entrar.

Dê um determinado tempo, no qual os alunos do grupo devem dar instruções (no idioma ensinado) para que o aluno fique na mesma posição que o professor.

Ao final do tempo o aluno deve permanecer na posição em que está. Se for semelhante à posição do professor, o grupo ganha um ponto.

Repita com o grupo adversário.

O grupo com maior número de pontos será o ganhador.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

17 de jan de 2012

Siga o conto

contos1Esse jogo é divertido, ágil e ajuda a praticar conversação, melhorar a pronúncia e também vocabulário. Quando você que tiver um tempo extra introduza esse jogo e você verá que os resultados serão muito bons.

Preparação

Decida o que vai praticar, se será um tópico de vocabulário (verbos de ação, comida, etc.) ou palavras de uma lição anterior. Marque no máximo 10 palavras que pretende praticar, faça uma busca no Google pelas imagens e insira num documento do Word ou recorte de revistas.

O importante é ter imagens num tamanho que possa ser visualizado sem dificuldade pelos alunos, eu sugiro que não haja mais que 4 imagens em cada página.

Recorte em formato de cartões.

Se você preferir pode levar os objetos em uma caixa grande de papelão, mas eu acho que dá muito trabalho, além da dificuldade de ficar andando com a caixa de um lado para outro. Com os cartões você pode deixar preparado o jogo, usar quando houver oportunidade.

Prepare o início da história, que pode ser: “I was at the supermarket when...”, mas você escolhe uma que se adapte melhor ou induza os alunos na direção que você quer.

Como jogar

Coloque os alunos em círculo.

Explique que deverão continuar a história de forma lógica sem interrupção, e que devem incluir o objeto ou verbo mostrado na história.

Comece a história, aponte um aluno que deve continuá-la em seguida. Enquanto ele está falando, mostre o primeiro cartão. O aluno deve incluir a palavra em sua narrativa. Deixe que continue mais um pouco, aponte outro aluno que deve continuar de onde o anterior parou.

Em certo momento mostre outro cartão, que deve ser incluído na narrativa. Prossiga até que todos os cartões tenham sido mostrados ou que o tempo disponível tenha se esgotado.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

16 de jan de 2012

Caça-palavras

caca1Mais fácil que as palavras cruzadas (que são mais indicadas para adolescentes ou adultos), a popular “sopa de letras” é uma opção muito boa para alunos mais fracos ou de nível básico. As crianças também gostam mais dessa versão de jogo que das palavras cruzadas.

Se sua classe for de alunos mais novos ou se o nível de inglês ou espanhol for ainda básico, coloque palavras apenas no sentido horizontal e vertical. Adicione a ordem invertida ou transversal para alunos de nível intermediário ou avançado.

Não faça uma sopa muito extensa da primeira vez, adicione apenas 10 palavras em um quadro de no máximo 30 X 30 letras. Você pode imprimir o caça-palavras com as palavras que serão encontradas, ou com as figuras, ou ainda indicando apenas do que se trata - parts of the body - por exemplo.

Quem vai definir isso é você, de acordo com a classe, com o contato anterior que já tiveram com as palavras, o nível de inglês ou espanhol da turma, o tempo disponível que você tem.

Com uma sopa de 10 palavras em um quadro 30 X 30 horizontal e vertical, cerca de 15 minutos serão necessários. Acrescente mais 5 minutos para cada “dificultador” que você adicionar: transversal, ordem inversa, figuras em vez de palavras, só indicação sem palavras, etc.

Aqui você vai encontrar um site onde pode preparar o jogo, basta inserir as palavras e depois ir seguindo até a exportação para seu computador.

Você pode também procurar por programas gratuitos para instalar em seu computador, caso prefira familiarizar-se com eles antes de preparar seus jogos.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

15 de jan de 2012

Palavras cruzadas

crossMeus alunos adoram palavras cruzadas e eu preparo várias tanto para complementar outras atividades quanto para usar em alguns minutos extras no final de uma aula. Dependendo do tamanho do jogo e do grau de dificuldade das palavras, quinze minutos são necessários para que completem o jogo. Para facilitar no caso de ter alunos fracos ou pouco tempo disponível, divida-os em grupos e dê uma cópia do jogo a cada grupo.

Uma boa ideia é preparar uma palavra cruzada com o que aprenderam em cada lição. Coloque as palavras ou expressões mais difíceis ou as que esquecem com maior facilidade, no máximo umas quinze para cada jogo.

Aqui você vai encontrar um local para preparar suas palavras cruzadas, caso não tenha um programa para esse fim em seu computador. Há muitos outros sites para preparar palavras cruzadas online, também bons programas gratuitos para instalação caso prefira fazer direto na sua máquina.

Zailda Coirano

WebsiteLoja Virtual RádioFacebookTwitter

14 de jan de 2012

Vocabulário–inglês ou espanhol

vocabularyEstamos sempre procurando formas de melhorar o vocabulário dos estudantes através da prática. Várias atividades ajudam para que consigam esse resultado, enquanto fazem uma revisão.

Preparei esse jogo várias vezes com excelentes resultados. Funciona melhor em classes com menor número de alunos ou classes de adultos.

Como preparar

Numa página coloque várias palavras de uma lição que aprenderam. Coloque 3 ou 4 de cada “grupo” ou que tenham relação umas com as outras. Você pode colocar 3 partes do corpo, 3 adjetivos, 3 pronomes, 3 verbos de ação, e assim por diante.

Coloque um bom número de palavras, eu costumo trabalhar com pelo menos vinte.

Divida a classe em grupos, a cada grupo dê a sua lista de palavras.

Como jogar

Dê um determinado tempo (10 minutos, por exemplo, pode ser suficiente para uma lista de vinte palavras, mas você conhece melhor sua classe, então deve determinar um período no qual eles tenham tempo para usar todas as palavras.).

Cada grupo deverá criar “grupos” de palavras, que podem ser:

- a mesma classe gramatical (pronomes, verbos, etc.)

- palavras relacionadas (fogão, cozinha, panela)

- palavras que rimem

- ou o que perceberem que têm em comum, que dê para criar um grupo (coisas na cozinha, formas de descansar, etc.)

Ao formar o grupo os alunos devem incluir todas as palavras na lista que pertencem a ele. Se, por exemplo, criarem um grupo de pronomes, todos os pronomes da lista devem constar no grupo.

Depois de terminado o tempo, veja quantos grupos de palavras cada grupo criou, peça que leiam seus grupos, anule os que estão incorretos ou incompletos.

O grupo que conseguiu formar o maior número de grupos será o ganhador.

Você pode criar várias listas antes de uma prova, por exemplo, como forma de revisar o vocabulário ensinado no bimestre.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

13 de jan de 2012

Prefixos e sufixos

prefix and suffixEssa atividade ajuda a fixar vocabulário, aumenta consideravelmente o número de palavras que conseguem lembrar-se e também favorece a conversação à medida que os alunos usam oralmente o que aprenderam.

Preparação do jogo

1) Faça uma lista de palavras.

2) Divida a classe em grupos.

Como jogar

3) Leia a primeira palavra. Os alunos de cada grupo devem formar o maior número de palavras possível usando prefixos e sufixos. (Por exemplo: care – careless, carelessly, careful, etc.)

4) Dê um tempo para que terminem, estabeleça 2 minutos, por exemplo.

5) Ao final do tempo marcado, peça para que parem de escrever.

6) Pergunte aos grupos quantas palavras conseguiram. O grupo com maior número de palavras deve ler sua lista, se estiverem todas corretas ganha um ponto.

7) Você pode perguntar aos outros grupos se encontraram palavras diferentes das que foram lidas.

8) Comece com a segunda palavra de sua lista, seguindo o mesmo procedimento.

9) O grupo com maior número de pontos ao final do jogo será o vencedor.

10) Premie os membros do grupo ganhador com balas, chocolates, um diploma ou medalha.

Apesar de todos os exemplos serem em inglês, o jogo pode ser usado também por professores de espanhol ou português.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

12 de jan de 2012

Jogos em PowerPoint

blog_powerpoint5Você pode preparar vários jogos em PowerPoint para seus alunos, mesmo que não seja um expert e não tenha muito conhecimento de como usar o programa.

Uma boa forma de trabalhar vocabulário é preparar um PowerPoint com várias figuras e mostrá-lo aos alunos. Eles não podem anotar nada e melhorará bastante o desempenho deles no jogo se você disser o nome dos objetos enquanto mostra o arquivo. Os alunos podem repetir em coro.

Inclua grupos de seis ou mais objetos em cada arquivo, coloque cada objeto em um quadro, passe cada quadro apenas uma vez. Peça então aos alunos que façam uma lista dos objetos na ordem em que foram mostrados. Escolha um aluno para ler sua lista. Se ele errar a ordem peça a um aluno que fez uma lista diferente para ler, até encontrar um aluno com a ordem correta. Esse aluno ganhará um ponto.

Mostre então outro grupo de palavras, agora com mais quadros. Siga até que pratiquem vários tópicos ensinados, premie os vencedores.

Você também encontrará jogos em PowerPoint para ensinar ou praticar inglês, espanhol ou português para estrangeiros aqui.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

11 de jan de 2012

Objeto oculto

Sem títuloEssa atividade é muito útil para professores de inglês ou espanhol. Seguem abaixo sugestões para a preparação e aplicação da atividade em sala de aula:

Preparação

1) Escolha um tópico de vocabulário que seus alunos já tenham aprendido (partes do corpo, objetos escolares, móveis e utensílios, etc.).

2) Faça buscas na internet até conseguir um número bom de imagens desses objetos. Eu costumo jogar com 10 ou 12 de cada vez.

3) Abra um documento do Word, insira as imagens na página.

4) Imprima e corte em cartões de tamanho igual.

Como jogar

5) Divida a classe em grupos.

6) Cada grupo determina a ordem de seus membros.

7) O primeiro aluno pega um dos cartões, escolhe um aluno de outro grupo para descobrir que objeto ele pegou.

8) O aluno que pegou o cartão vai dando dicas: o meu é vermelho, não trago no dia da prova, etc. As dicas têm que ser verdadeiras mas não podem ser óbvias (uso para apagar o que escrevi errado).

9) O aluno que vai responder pode ter ajuda dos outros membros de seu grupo.

10) Após 3 tentativas, se não acertar o grupo do aluno que faz a pergunta ganha um ponto; se acertar seu grupo ganha um ponto.

11) Após fazer as perguntas, o cartão volta para junto dos outros, que são todos embaralhados novamente.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

10 de jan de 2012

Desafios de inglês

brainstormA prática leva à perfeição, mas nem só de frases para tradução vive a prática do inglês em sala de aula. Há dezenas (ou até centenas, dependendo da sua imaginação e criatividade) de formas para fornecer aos alunos a prática, tão necessária à fixação do que aprenderam.

Uma forma muito apreciada de praticar o inglês é usar “brain teasers” ou “brainstorms” que além da prática de vocabulário e gramática também ajudam na interpretação de textos. Como professores temos que favorecer não só o aprendizado e a prática, mas também ajudar nossos alunos a pensarem sobre o que já aprenderam. Com essas atividades eles irão desenvolver o raciocínio usando o idioma e também terão alguns momentos de diversão.

Para que fique ainda melhor, divida a classe em grupos, dê uma cópia do primeiro a cada grupo. O grupo que fornecer a resposta correta em primeiro lugar ganha um ponto. Prossiga assim de acordo com o tempo disponível e ao final premie cada membro do grupo ganhador.

Você encontrará vários desafios aqui, ou pode também criar outros semelhantes com palavras ou expressões que seus alunos já aprenderam.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

9 de jan de 2012

Matemática e espanhol

1308855113_171675334_1-ESPANHOL-AULAS-Barao-GeraldoVivemos a era da interdisciplinaridade e nada melhor do que usar o que os alunos aprendem em uma matéria para usar em outra. O uso de enigmas de matemática em espanhol é interessante porque ao mesmo tempo que o aluno pratica o que já aprendeu na disciplina matemática também pratica interpretação de textos em espanhol.

Você vai encontrar vários desafios de matemática em espanhol aqui. A sugestão para que fique mais interessante é que você divida a classe em grupos, dê a cada grupo uma cópia do primeiro desafio. O primeiro grupo que apresentar a resposta correta ganha um ponto, ao final do jogo premie os elementos do grupo vencedor com balas, chocolates ou algum material escolar como uma caneta, por exemplo. Os diplomas também são bem aceitos, assim como as medalhas.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

8 de jan de 2012

Desafios de matemática

matematicaOs desafios são muito bons para praticar matemática, dessa forma a classe estará usando o que aprendeu de forma prática, e dessa forma verão como a matemática se aplica “na vida real”.

É muito importante ter essa experiência porque assim os alunos irão compreender que a matemática está presente em todas as áreas de nossa vida, e só aprendendo-a terão como aproveitar certas oportunidades e também sair-se bem em várias circunstâncias corriqueiras.

Eu tive um excelente professor de matemática no segundo grau, que ao ensinar cada tópico também nos mostrava “para que servia”. Claro que os famosos “problemas” também fazem isso, mas são encarados como “dever” e não como diversão.

Você vai encontrar aqui dezenas de desafios para usar com seus alunos, com vários graus de dificuldade. As revistas de palavras cruzadas (Coquetel) também contém diversos desafios interessantes que encantarão seus alunos.

Para que a atividade fique mais interessante, divida a classe em grupos e dê a cada grupo uma cópia do primeiro desafio. O primeiro grupo que apresentar a resposta correta ganha um ponto, vá seguindo com os desafios de acordo com as possibilidades de seus alunos e com seu tempo disponível. Ao final, dê uma bala ou chocolate a cada membro do grupo vencedor.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

7 de jan de 2012

Conversação

Conversa-facilitada_03Todo professor de idiomas precisa de tempos em tempos criar atividades que faça com que a classe use o que aprendeu, e nada melhor do que algumas fichas de conversação.

As fichas de conversação são muito importantes em classes de adultos ou classes avançadas, mas também podem ser usadas por alunos de nível básico ou intermediário.

A preparação é simples, basta abrir um documento do Word e nele colocar algumas frases, depois cortamos as frases e as colocamos sobre uma mesa, voltadas para baixo. Em sua vez, cada aluno tira uma ficha e completa a frase. Uma sugestão de frases:

I get frustrated when...

I get happy when...

I get sad when...

I get angry when…

I get curious when…

I get relaxed when…

I get tired when…

I get afraid when…

As fichas também podem ser feitas em forma de perguntas:

When do you get frustrated?

When do you get upset?

E assim por diante, use os adjetivos que seus alunos já conhecem e crie suas frases ou perguntas. Quando usamos perguntas, em vez de responder o aluno escolhe um colega e faz a pergunta a ele.

Essas atividades são apreciadas pelos alunos, ajudam a praticar tópicos gramaticais, desenvolvem a formação de frases e melhoram a pronúncia dos alunos.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

6 de jan de 2012

Primeiro dia de aula

primeira-aula-de-jump-2559028-3523Existem várias dinâmicas já postadas no blog que você pode usar no primeiro dia de aula para conseguir entrosamento entre os alunos, criar uma atmosfera favorável ao aprendizado e também coletar dados sobre eles.

Alguns professores questionam a necessidade dessa última proposta (coletar dados sobre os alunos), e perguntam se não é melhor deixar que o convívio com a classe durante o ano os forneça. Eu discordo porque acredito que todos nós gostamos de algo que foi criado especialmente para nós, visando contemplar os nossos interesses e atividades que já desempenhamos.

Na preparação de aulas esses dados coletados na dinâmica do primeiro dia serão usados para inserir o que vamos ensinar na realidade do aluno, mostrando a ele de antemão como usar aquilo que aprende nas atividades que desempenha normalmente.

Como professora de idiomas eu sei como é importante saber quem tem um animal de estimação na hora que vou falar sobre “pets”, da mesma forma quando ensino “família” é uma ferramenta importante usar a própria família do aluno como exemplo. Para isso eu tenho que conhecer esses dados antecipadamente.

Eu posso até começar usando uma “família padrão” que todos – ou a maioria – conheçam, como os Simpsons, por exemplo. Mas depois dessa introdução vou formular perguntas usando os dados que consegui dos alunos no primeiro dia de aula. Ao dirigir minha pergunta a cada aluno, ele perceberá que essa pergunta foi criada especialmente para ele, e não há quem não se encante ao perceber que é importante, que algo foi criado para contemplar seus gostos, necessidades e particularidades.

Abaixo seguem alguns links de dinâmicas que podem ser usadas no início das aulas com esse fim, elas podem ser utilizadas da forma como são descritas ou adaptadas às suas necessidades ou de seus alunos.

Entrevista

Dinâmica para o primeiro dia de aula

Brincadeira das bexigas

Quem sou eu

Caso você use alguma dessas dinâmicas e queira compartilhar conosco os resultados obtidos, faça um comentário na postagem correspondente ou utilize o mural de recados na lateral direita do blog.

Zailda Coirano

WebsiteLoja Virtual RádioFacebookTwitter

5 de jan de 2012

Dinâmicas de introdução

primeira aulaO primeiro dia de aula é um desafio para qualquer professor, mesmo o mais experiente deles. Todos nós sentimos um friozinho na barriga quando entramos pela primeira vez em uma classe no início do ano letivo. Isso é normal e significa que estamos ansiosos para saber se vamos agradar, se conseguiremos uma boa resposta dos alunos, se seremos aceitos. Mesmo que você seja o mais seguro dos mortais, sente também essa necessidade de aceitação, que é comum a todos os seres humanos.

No nosso caso ela é ainda mais importante, porque só conquistando a confiança e a consideração dos alunos conseguiremos um bom desempenho, já que nosso trabalho de “ensino” só será bem desempenhado se os nossos alunos fizerem a parte deles, resultando em aprendizado.

As dinâmicas têm várias finalidades, e no primeiro dia de aula necessitamos de uma ferramenta para que – de forma divertida – consigamos dados importantes sobre a classe, criemos uma atmosfera favorável ao desempenho de nossas funções, promovamos a integração entre os alunos que ainda não se conhecem direito.

Para conseguir tudo isso, nada mais interessante e útil do que uma dinâmica, então selecionei algumas (que já foram publicadas aqui no blog) para que você escolha a que mais se adequar à sua proposta inicial.

Seguem abaixo os links de algumas dinâmicas para o primeiro dia de aula que tenho usado com meus alunos, obtendo resultados muito bons. Caso você tenha alguma dúvida ou dificuldade entre em contato comigo.

Dinâmica com barbante

Dinâmica com bexigas

Fila indiana

Dinâmica “quebra-gelo”

Todas as dinâmicas podem ser usadas da forma como são explicadas no blog, ou você pode adaptá-las para usar com seus alunos. Algumas delas já contém sugestões para adaptações e, caso use alguma dinâmica do blog, compartilhe conosco o resultado deixando seu comentário na postagem ou no mural de recados na lateral direita do blog.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Rádio Facebook Twitter

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...