18 de out de 2012

Novo material para praticar vocabulário

VOCABULARY WORKSHEETS 1 CAPAA proposta do site é criar dinâmicas, brincadeiras e atividades lúdicas que favoreçam o aprendizado e todas as semanas crio alguma coisa, mas só publico aqui depois de tê-las usado algumas vezes. Mesmo depois de usar a primeira vez sempre faço adaptações, então costumo publicar apenas quando sinto que a atividade está “completa”.

Além das dinâmicas, é necessário ter sempre à mão material que estimule a prática constante, e como sou professora de idiomas crio sempre bastante material que atenda a alguns requisitos. O material novo precisa ser atraente, intuitivo e diferenciado.

Colocar várias frases numa folha em branco para que o aluno complete é uma boa tarefa, mas se ela se repete sempre torna-se cansativa e os alunos não têm vontade de fazer. Costumo então usar muitas imagens relacionadas aos tópicos e que façam parte do exercício, dessa forma os alunos sentem-se interessados e com as imagens aprendem mais. Quando estão interessados prestam mais atenção e com isso erram menos.

As tarefas precisam se intuitivas para que o aluno entenda facilmente (com auxílio das imagens e exemplos) e erre pouco, evitando que pratique mais o errado do que o certo e acabe confundindo tudo. As “pegadinhas” são boas quando se quer definir o nível de aprendizado do aluno (como em provas ou vestibulares), mas para a prática e revisão funcionam melhor as atividades mais fáceis.

Além de atraentes e intuitivas, as atividades precisam ser diferenciadas, com muitas variações e de acordo com os objetivos do professor e o nível dos alunos. Fornecer sempre a mesma coisa cansa e não é todo dia que o professor está inspirado para criar uma atividade diferente.

Com essa proposta está sendo lançada a série “Vocabulary Worksheets”, a cada novo volume o professor terá material para trabalhar 10 tópicos de vocabulário, e as obras “Games” e “Boardgames” – que já estão em andamento – irão servir de apoio, com a criação de jogos e tabuleiros para complementar a prática iniciada na nova obra.

A obra está sendo lançada em inglês, mas em breve estarão disponíveis as obras equivalentes também em espanhol e português (PLE), com previsão de pelo menos cinco volumes por semana até dezembro. Ao final serão lançados também jogos interativos em PowerPoint para complementar o trabalho.

Se você quer acompanhar os lançamentos visite SOS Idiomas (se mora no Brasil) ou Digital Goods (se mora no exterior), onde também irá encontrar mais de 100 volumes para praticar idiomas e também outras matérias.

Visite SOS Idiomas e conheça as centenas de opções de apostilas e jogos para professores de inglês, português (inclusive PLE), espanhol, alemão e francês. Temos também para outras matérias!

Se mora no exterior visite Digital Goods, com os mesmos produtos e preços em dólares americanos.

13 de ago de 2012

Brindes para professores

brindes informativo

Eu preparo e envio material para os grupos e também posto bastante coisa em meus blogs, mas procurava uma forma de enviar um presente especial para quem acompanha a loja virtual. Encontrei uma maneira de fazê-lo e espero que agrade a todos: quem se inscrever para receber o informativo dos sites (Digital Goods e SOS Idiomas, link no final da postagem) pode optar por um dos três idiomas - inglês, espanhol ou português - e receberá em até uma semana uma das apostilas ilustradas acima no idioma escolhido.

A apostila de português tem exercícios de gramática que servem para alunos brasileiros e estrangeiros e ao fazê-los também desenvolverão a escrita. Da forma como os exercícios foram propostos servem também como prática de vocabulário (alimentos) para alunos estrangeiros (PLE).

Coloquei uma pequena imagem de cada uma para ilustrar esta postagem, mas as apostilas em questão estão em formato pdf, a de inglês e português têm mais de uma página e a de espanhol é um jogo para praticar conversação e vocabulário.

Para saber mais clique aqui e veja como se inscrever.

Apostilas e jogos interativos em PowerPoint para o ensino e prática de idiomas – inglês – espanhol – alemão – francês – português (inclusive PLE). Se mora no Brasil visite SOS Idiomas; se mora no exterior visite: Digital Goods. Entrega imediata por download.

Zailda Coirano

28 de jun de 2012

Cleópatra para professores de história

Cleópatra capaAcabei de preparar o primeiro módulo para professores de outras matérias. O módulo é sobre Cleópatra e destina-se a professores de história.

Nesse módulo incluí:

  • Uma apostila com a biografia de Cleópatra com datas, feitos, etc.
  • Uma apostila com resumo cronológico para que os alunos estudem.
  • Uma apostila com um teste de 20 questões (múltipla escolha) com gabarito para facilitar a correção pelo professor.
  • Um jogo interativo em PowerPoint (quem quer ser milionário)
  • Uma apostila com as cédulas customizadas especialmente para o jogo (75 no total).
  • Uma página com sugestões de uso, desenvolvimento das atividades e preparação do jogo.

Como usar

A sugestão é introduzir o tópico (formas sugeridas na apostila de sugestões) e depois passar o texto e/ou resumo para os alunos estudarem, avisando que haverá um jogo na aula seguinte.

Na aula seguinte fazer o jogo, dividindo os alunos em grupos. O jogo tem efeitos especiais, tudo o que o professor precisa fazer é abrí-lo no PowerPoint e clicar nos locais indicados, o resto já está tudo programado (perguntas, respostas, valores a serem pagos). As cédulas de cem reais foram customizadas especialmente para o jogo e estão em arquivo à parte para serem impressas (já estão em número necessário para o jogo).

Quando os alunos ganham o professor deve “pagar” o valor correspondente à pergunta usando as cédulas incluídas; quando perde o grupo tem que “pagar” o valor correspondente com as mesmas cédulas que já recebeu. Em caso de valores negativos, anotar o “débito” na lousa.

Espero que o set seja útil e que seus alunos aprendam de forma divertida e completa. Para acessar as apostilas de outras matérias use o link abaixo:

OUTRAS MATÉRIAS

Em seguida colocarei também apostilas para professores de geografia, português (literatura) e matemática. Lembro que há mais de 150 lotes disponíveis para professores de alemão, português (para brasileiros e também PLE), francês, espanhol e inglês.

Apostilas e jogos interativos em PowerPoint para o ensino e prática de idiomas – inglês – espanhol – alemão – francês – português (inclusive PLE). Se mora no Brasil visite SOS Idiomas; se mora no exterior visite: Digital Goods. Entrega imediata por download.

Zailda Coirano

26 de jun de 2012

Jogos interativos em PowerPoint

Gosto muito de usar jogos em PowerPoint para ensinar, praticar ou revisar vocabulário, gramática e fonética. Preparo jogos em inglês, espanhol e português (inclusive PLE) e meus alunos adoram, sempre pedem para fazer jogos sobre os assuntos a respeito dos quais sentem-se inseguros.

Além dos jogos para idiomas eu preparo também jogos para outras matérias e a partir do final dessa semana postarei um lote de jogos para as aulas de história. Depois postarei para geografia, matemática, etc.

O primeiro lote de história será sobre Cleópatra, ainda não decidi sobre o que será o primeiro de geografia. Se você tiver sugestões ou pedidos de tópicos para preparar os jogos ou volumes completos entre em contato comigo ou poste um comentário no final da postatem.

Nesse jogo em particular (que está disponível para download gratuito no final da postagem) o aluno aprende jogando: quando erra cai na página “game over”, mas tem a chance de recomeçar de onde parou; quando acerta há uma explicação para fixar o tópico. Se quiser mais jogos como esse, acesse: http://zailda.com.br/powerpoint.html.

Para baixar o jogo para aprender gramática de inglês (should have X could have) clique no link abaixo:

COULD HAVE OR SHOULD HAVE? – POWERPOINT INTERATIVE GAME

Apostilas e jogos interativos em PowerPoint para o ensino e prática de idiomas – inglês – espanhol – alemão – francês – português (inclusive PLE). Se mora no Brasil visite SOS Idiomas; se mora no exterior visite: Digital Goods. Entrega imediata por download.

Zailda Coirano

20 de jun de 2012

Verbos no subjuntivo com jogos

Os professores de português (principalmente os que ensinam estrangeiros) apontam como uma das maiores dificuldades dos alunos o uso dos verbos nos tempos do subjuntivo. Bem, se até os brasileiros têm essa dificuldade (já cansei de ouvir muito brasileiro dizendo: se eu “por” em vez de puser; se a gente “isse” em vez de fosse; se eu “trazer” em vez de trouxer), imagine os estrangeiros!

Estou terminando um lote de apostilas de vocabulário e interpretação em português e um lote de apostilas de vocabulário em inglês, e assim que eu terminar vou preparar vários jogos para que os alunos aprendam os tempos do subjuntivo na prática e de forma divertida.

Alguns dos jogos serão disponibilizados para download gratuito em meu blog Português do Brasil e outros eu colocarei à venda em minha loja virtual, porque preciso comer e pagar minhas contas.

Aguardem então que já no final dessa semana publicarei alguma coisa, os jogos interativos em PowerPoint serão publicados em um blog especial, que será informado assim que eu terminá-los.

Apostilas e jogos interativos em PowerPoint para o ensino e prática de idiomas – inglês – espanhol – alemão – francês – português (inclusive PLE). Se mora no Brasil visite SOS Idiomas; se mora no exterior visite: Digital Goods. Entrega imediata por download.

Zailda Coirano

14 de jun de 2012

Enquetes do blog–objetivos das dinâmicas

Comentei essa semana aqui sobre o resultado das enquetes do blog, e na segunda enquete foi perguntado o objetivo das dinâmicas que os professores querem. Novamente o fator que mais influencia o professor a procurar uma dinâmica é “motivar e relaxar” os alunos.

Em segundo plano estão: introduzir matéria nova e praticar a matéria. Claro que a enquete se refere apenas às dinâmicas do blog e não aos jogos – esses mais apropriados para a prática e introdução de tópicos.

Continuando o que já foi discutido essa semana (veja a postagem anterior), vivemos na era em que o professor, além de ensinar, tem que lidar com outros fatores que os de décadas anteriores não tinham como “obrigações”:

- “competimos” com internet, videogames e TV;

- na sala temos que “convencer” os alunos a prestarem atenção e participarem das atividades, assim como desligarem celulares e outros aparelhos com os quais estão “conectados” 24 horas por dia;

- lidar com a frustração (e por vezes a ira) dos pais quando os filhos não conseguem assimilar a matéria e – portanto – são reprovados ou tiram notas abaixo da média;

- convencer pais e responsáveis de que é tarefa deles educar os filhos, e não nossa. Temos obrigação simplesmente instrutiva, ficando a parte formativa (incluindo-se aí o caráter) a cargo primordialmente dos pais;

- ajudar pais e alunos a conciliar as dezenas de tarefas e obrigações que os adolescentes e crianças têm atualmente (as quais relegam a segundo plano facilmente para acessar a internet) com seus horários.

E a aula?

Pois é, além de tudo isso aí em cima, temos que preparar aulas bem elaboradas e que prendam a atenção do aluno. Para “competir” com as atividades deles, elas precisam ser dinâmicas, interessantes e que façam o aluno sentir prazer em aprender. Se forem também desafiadoras será ótimo. Se ajudarem os alunos a pensar, melhor ainda.

Tornar essa tarefa menos árdua, provendo ideias, sugestões e trabalhos completos é a nossa proposta. Se você quer participar, dê sua sugestão enviando sua mensagem pelo formulário de contato, dê sua opinião postando um comentário e preencha o formulário no rodapé do blog para que suas necessidades sejam levadas em conta na hora da preparação das matérias do blog.

Zailda Coirano – SOS Idiomas & Digital Goods

10 de jun de 2012

Enquetes do blog – que tipo de dinâmicas você procura?

Encerradas as enquetes do blog, e hoje vamos falar aqui da primeira delas, que você pode checar na aba esquerda do blog.

Na enquete foi perguntado se o professor que visita o blog procura dinâmicas dos tipos:

  • Comportamental
  • Motivacional
  • Para reflexão

A segunda categoria – motivacional – ganhou de lavada. Por trás dessa enquete podemos imaginar o que trouxe os professores ao blog. O resultado da enquete mostra que o maior problema deles não é corrigir comportamentos ou induzir à reflexão, mas sim motivá-los para que aprendam.

Com o que temos que competir?

Competimos com videogames, TV, saídas com amigos, redes sociais, vídeos e outras matérias que despertam o interesse de nossos alunos e que os levam a relegar a escola a segundo plano.

Vivemos numa era imediatista na qual o prazer que sentimos no momento é levado em consideração mais que planos para o futuro ou investimentos pessoais em relacionamentos ou preparação profissional.

Apesar de admitir que uma boa parte de meus alunos adolescentes sente-se insegura em relação ao seu futuro profissional (e aí incluímos a subsistência e a manutenção de suas futuras famílias), também é realidade que tudo isso é esquecido quando o adolescente “foge” de todos essas inseguranças que geram ansiedade usando os meios de obter prazer imediato que tem à mão.

Para ele é muito mais prazeroso interagir com seus amigos virtuais através de sua linha do tempo no Facebook do que preocupar-se ou preparar-se para o futuro. O futuro parece tão distante quando comparado com as “vidas” que pode obter em seu jogo favorito!

Para que possamos competir em pé de igualdade precisamos motivar os alunos através de atividades que os farão sentir prazer em executar, resgatando o prazer de aprender. Temos sempre que ressaltar a cada semana ou mês quanto do caminho já foi percorrido, e dar sempre um feedback positivo, mostrando ao aluno quanto ele já aprendeu.

Só fornecendo atividades que façam com que eles pratiquem e aprendam de forma prazerosa conseguiremos captar sua atenção e obter deles um retorno positivo, resultando em aprendizado e – mais que isso – a quase extinta “sede de aprender”.

Como já é sabido pelos leitores assíduos do blog, nossa principal proposta é fornecer atividades que o aluno possa executar com prazer e que despertem seu interesse, bem como dar sugestões e dicas para que o professor possa criá-las.

Esperamos assim estar contribuindo para que num futuro não muito longínquo essa enquete resulte num resultado completamente diferente, para que possamos nos rejubilar pelo fato de que o professor só tenha que se preocupar em encontrar métodos mais eficientes de ensinar, e não de antes de ensinar ter que colocar sua “platéia” no clima.

Zailda Coirano – SOS Idiomas & Digital Goods

6 de jun de 2012

Jogos de tabuleiro

Boardgame cond 3Creio que todos nós lembramos da infância, de quando brincávamos com jogos de tabuleiro como batalha naval. Eu me lembro que adorava um jogo que tinha umas notinhas de dinheiro, acho que era “banco imobiliário” ou coisa assim.

Creio que todos nós em algum momento de nossa vida já brincamos com os tabuleiros, e alguns jogos chegaram a ficar famosos, atravessando fronteiras e conquistando milhões de fanáticos.

Podemos usar os tabuleiros também para praticar a matéria que ensinamos, revisar itens de gramática e vocabulário, promover conversação e debates. São tabuleiros simples, e se você tiver um modelo poderá inserir tudo o que quer praticar sem dificuldades.

Com um tabuleiro, algumas fichas e um dado podemos fazer a alegria da garotada tanto quanto dos adultos, que se lembrarão como eu de sua infância e entrarão na brincadeira com gosto. Enquanto isso, irão aprendendo.

Como preparar um tabuleiro

Você pode fazer um tabuleiro simples com uma tabela, simplesmente numerando-o e inserindo o que quer praticar. Podem ser perguntas que o aluno terá que responder, frases para completar, figuras, o que manda é sua imaginação.

Você pode, por exemplo, colocar várias figuras que o aluno terá que nomear enquanto for jogando. Se você é professor de inglês ou espanhol de nível básico, nada melhor para praticar vocabulário e pronúncia. Se você dá aulas de geografia, umas bandeiras para que o aluno diga a qual estado pertencem; pode colocar acidentes geográficos; mapas – ou o que estiver praticando.

Se for professor de literatura, pode colocar autores ou nomes de livros para que o aluno diga se pertencem ao romantismo, realismo, etc. Pode colocar o nome de um livro para que o aluno diga o autor; pode colocar um autor para que o aluno cite um livro de sua autoria. As possibilidades são praticamente ilimitadas.

Como jogar

Uma vez pronto seu tabuleiro, divida a classe em grupos de 4 alunos. Para cada grupo dê um tabuleiro e um dado. Para cada jogador dê uma ficha ou grão de feijão.

Estabelecida a ordem em que irão jogar, posicionam-se as fichas de todos os jogadores do lado de fora do tabuleiro ou na casa “início”.

O primeiro joga o dado e vai para a casa correspondente (se tirou 3, anda 3 casas adiante). Deverá então responder ao que está na casa (ou completar, ou dizer o nome da figura, e assim por diante). Se acertar sua ficha permanece na casa; se errar volta para onde estava.

O segundo jogador faz o mesmo e assim sucessivamente, até que um deles alcance o final, e será o ganhador. Você pode acrescentar emoção colocando em algumas casas frases como:

  • perde uma rodada.
  • avance 2 casas.
  • volte uma casa.

Tempo X necessidade

O fator tempo conta muito, então não faça jogos muito longos (com muitas casas) se você tem apenas 15 minutos para jogar. Se for antes de uma prova, por exemplo, prepare vários tabuleiros e dê um diferente a cada grupo. Quando terminarem vá trocando até que todos os grupos já tenham jogado todos.

Vou falar mais dos tabuleiros na próxima postagem, siga o blog usando uma das formas de associação disponibilizadas na lateral direita para receber as atualizações.

Zailda Coirano – SOS Idiomas & Digital Goods

1 de jun de 2012

Modelo de dominó

Já falamos nas postagens anteriores sobre o jogo de dominó para praticar matéria, já falamos como preparar e como jogar. Caso você ainda não tenha lido, consulte as postagens anteriores e poderá acompanhar o assunto desde o início.

Hoje vou compartilhar um dos meus modelos prontos de dominó. O arquivo é um “modelo do Word 97/2003”. Quando você clicar nele e abrir no seu computador, o modelo irá criar um novo documento que você deve salvar em uma pasta do seu computador com o título que achar melhor. O modelo não sofrerá alterações, cada vez que for aberto criará um documento novo, então você poderá usá-lo quantas vezes quiser.

Para fazer o seu jogo, basta colocar de um lado figuras e do outro palavras. Na postagem anterior eu coloquei o esquema, basta seguí-lo e seu jogo dará certo. São ao todo 28 peças, não acrescente mais ou o jogo não dará certo (restarão peças para todos que não poderão encaixar, então não haverá ganhador).

Para baixar o modelo basta clicar no link abaixo:

MODELO DE DOMINÓS

Zailda Coirano – SOS Idiomas & Digital Goods

19 de mai de 2012

Como jogar–dominós educativos

Antes de ler essa postagem, leia as postagens anteriores sobre o assunto:

Jogos na sala de aula – dominós

Como preparar os dominós

Nessa penúltima postagem sobre o assunto “dominós” vou falar sobre como jogar para obter o melhor rendimento de seus alunos e também dar algumas ideias.

Regras do jogo

I – Distribuição das peças

Com um set de 28 peças, o dominó é jogado com duas, três ou quatro pessoas.

Jogando com duas pessoas: dar 7 peças a cada um, as 14 restantes ficam sobre a mesa com a frente para baixo e quando o jogador não tem a peça para encaixar irá comprar até enconytrá-la. Quando acabarem as peças da mesa e o jogador não tiver a peça irá passar a vez para o próximo jogador.

Jogando com três pessoas: dar 7 peças a cada um, as 7 restantes ficam na mesa e procede-se como descrito acima.

Jogando com quatro pessoas: cada um recebe 7 peças e quando o jogador não tiver a peça necessária passará a vez ao jogador seguinte.

II – Ordem do jogo

O jogo segue em sentido anti-horário. O primeiro jogador é o que tiver uma peça dupla (e encontrá-la primeiro entre as suas). Ele irá então posicioná-la no centro da mesa.

O segundo jogador é o que está à direita o primeiro; o terceiro é o que está à sua direita e segue-se assim em sentido anti-horário.

III – Como jogar

Em sua vez o jogador deverá colocar uma peça que combine no final do jogo. Há duas (pontas) no jogo de dominó e deve-se posicionar a peça em uma das pontas.

Por exemplo: há uma figura de cachorro na parte direita do final do jogo; há uma palavra “gato” na parte esquerda do início do jogo. O jogador pode tanto posicionar sua peça no início ou no final do jogo. Se tiver uma peça com gato (figura ou palavra) irá colocar no início; se tiver qualquer peça com cachorro (figura ou palavra) pode colocá-la no final.

IV – Objetivo do jogo

Encaixar o maior número de peças possível para terminá-las antes dos outros. Quem ficar sem peças primeiro será o ganhador.

V – “Manha” do jogo

Se um jogador passa porque há um gato no início e um gato no final do jogo os outros jogadores já sabem que ele não tem a peça com “gato”; No exemplo citado no parágrafo II, o jogador deveria então encaixar no cachorro, reduzindo as possibilidades do outro jogador (que não tem “gato”) usar suas peças.

VI – Prática durante o jogo

Como os alunos têm que combinar palavra com palavra, figura com figuro ou palavra com figura, precisam memorizar o nome dos animais ou perderão chances de encaixar suas peças.

Como prática adicional o professor pode pedir aos alunos que digam a palavra que estão encaixando. No caso quando o aluno encaixar o “cachorro”, na aula de inglês irá dizer “dog” ou “perro” se for uma aula de espanhol.

Sugestões

1) Vários alunos, várias palavras.

Como é jogado no máximo com 4 jogadores e com 7 palavras em cada set, se você tem muitas palavras para praticar pode criar mais de um jogo, então duas ou mais turmas podem jogar ao memso tempo, separadamente. Quando terminarem basta trocar o jogo que estão usando.

Por exemplo, se você tem 40 alunos e 70 palavras, crie 10 jogos de dominós, divida a classe em 10 grupos, grupo 1 joga com o dominó 1. Jogam todos ao mesmo tempo, o professor apenas avalia as conexões para ver se estão corretas e supervisiona para que digam a palavra ao encaixar as peças.

Quando terminarem, marque quem ganhou a primeira rodada. Passe então o dominó 1 para a turma 2, o dominó 2 para a turma 3, o dominó 3 para a turma 4, o dominó 4 para a turma 5 e assim por diante. A turma 1 jogará com o dominó 10.

A cada rodada marque o nome do ganhador de cada turma e faça o revezamento. No final, quem ganhou mais rodadas será o vencedor. Se houve mais de um ganhador, use um dos sets de dominó para fazer uma “negra”.

2) Vários alunos, poucas palavras

Quem assiste também aprende e participa, faça um círculo em volta dos 4 jogadores e enquanto assistem os outros alunos que não estão jogando também estarão aprendendo.

Se são poucas palavras faça apenas um set, escolha 4 alunos para jogarem. Quando terminarem o vencedor continua com 3 jogadores novos até que todos tenham jogado.

3) Várias palavras, poucos alunos

Faça um campeonato, a cada semana leve um jogo de dominó diferente para que joguem e vá anotando a pontuação. Ao final do semestre o ganhador será o que mais pontos tiver.

Espero ter ajudado com esses artigos sobre dominós. Se você tiver alguma dúvida ou sugestões adicionais, faça seu comentário.

Na próxima postagem colocarei alguns modelos de jogos para download, assim você só terá que inserir seu conteúdo, bem como algumas sugestões para que o faça da maneira mais agradável para seus alunos.

Zailda Coirano – SOS Idiomas 

 

18 de mai de 2012

Como preparar os dominós

Como falei ontem (veja a primeira reportagem sobre o assunto aqui) o dominó pode ser usado de muitas formas para ajudar no aprendizado. Hoje vamos ver como preparar seu jogo.

O primeiro passo é escolher o assunto a ser trabalhado. Vamos supor que você tenha 70 palavras para revisar. Isso não será possível encaixar em um set, ou você usa um bingo ou jogo da memória, ou prepara 10 sets independentes de dominó com 7 elementos em cada jogo.

Se você tem em torno de 40 alunos isso será ótimo, você divide em grupos de 4 alunos e cada grupo joga com um set. Quando terminarem você revisa as conexões que fizeram, declara o vencedor (ou não) e eles prosseguem, jogando um set diferente.

Depois de escolher as palavras ou elementos que serão trabalhados, desenhe as peças e se puder, use figuras e palavras, ou use palavras e definições.

Para fazer, siga o exemplo abaixo, são 12 passos. Só leia um passo quando tiver certeza de ter entendido o anterior.

Exemplo: vocabulário básico (animais de estimação)

1) Escolha 7 animais, procure as 7 imagens na internet.

2) Abra um documento do Word e faça as peças com formas do Word (retângulos) iguais. Eu faço com 14 peças em cada página, nas postagens dessa semana e da seguinte colocarei alguns modelos prontos, bastará colocar imagens e palavras.

3) Insira uma das imagens que vai usar na terceira página (supondo que usou as duas primeiras para desenhar as peças e a terceira esteja vazia).

4) Reduza a imagem para um tamanho que caiba perfeitamente num dos lados da peça do dominó.

5) Clique na imagem, dê CTRL + C e depois copie-a 3 vezes, dessa forma terá 4 imagens iguais.

6) Repita o processo para cada uma das outras 6 imagens.

7) Agora ao lado de cada imagem escreva a palavra usando WordArt, reduzindo para caber no outro lado do dominó.

8) Copie cada palavra 3 vezes. Agora você tem 4 imagens e 4 palavras correspondentes a cada um dos 7 elementos.

9) Estabeleça uma ordem para as imagens e para as palavras. Veja o esquema abaixo:

Cachorro imagem 1 palavra 1
Gato imagem 2 palavra 2
Hamster imagem 3 palavra 3
Coelho imagem 4 palavra 4
Papagaio imagem 5 palavra 5
Passarinho imagem 6 palavra 6
Peixe imagem 7 palavra 7

Vamos supor que seu assunto seja “mascotes”, então temos a tabela acima. A imagem do cachorro é imagem 1 e a palavra “cachorro” é palavra 1.

10) Pegue agora uma imagem de cada e coloque do lado esquerdo das primeiras 7 peças. Ao lado de cada uma das imagens, coloque a palavra correspondente. Essas serão as peças “duplas” que temos no dominó.

11) Agora coloque na sequência, em seu modelo, sempre do lado esquerdo, as imagens dessa forma:

  • imagem 1, imagem 1, imagem 1.
  • imagem 2, imagem 2, imagem 2.
  • imagem 3, imagem 3, imagem 3.
  • imagem 4, imagem 4, imagem 4.
  • imagem 5, imagem 5, imagem 5.
  • imagem 6, imagem 6, imagem 6.
  • imagem 7, imagem 7, imagem 7.

Vá seguindo a sequência, colocando 3 de cada imagem em sequência em cada uma das peças, do lado esquerdo. Ao terminar as imagens, você verá que todos os seus 28 dominós estarão com a parte esquerda preenchida, agora vamos preencher a parte direita com as palavras.

12) Agora coloque as palavras, seguindo esse esquema:

  • palavra 1: ao lado da imagem 2, imagem 3, imagem 4.
  • palavra 2: ao lado da imagem 3, imagem 4, imagem 5.
  • palavra 3: al lado da imagem 4, imagem 5, imagem 6.
  • palavra 4: ao lado da imagem 5, imagem 6, imagem 1.
  • palavra 5: ao lado da imagem 6, imagem 1, imagem 2.
  • palavra 6: ao lado da imagem 1, imagem 2, imagem 3.
  • palavra 7: ao ldao da imagem 2, imagem 3, imagem 4.

Você verá que com esse esquema teremos o mesmo que acontece em um jogo de dominó com números: cada um dos 7 elementos se combina consigo mesmo e com cada um dos outros 6 elementos uma vez.

Dessa forma asseguramos que o jogo “dê certo” e que não sobrem peças nas mãos de todos os jogadores sem que tenham como usá-las e sem ganhadores, a não ser que sejam feitos encaixes errados, que devem ser corrigidos pelo professor.

Nas próximas postagens vou compartilhar alguns modelos prontos, instruções sobre como imprimir e preparar as peças, sugestões de elementos para colocar nos jogos e as regras do jogo para quem não as conhece.

Para ser avisado sobre novas postagens, inscreva-se para recebê-las por email ou use uma das formas de associação disponíveis na lateral do blog.

Zailda Coirano – SOS Idiomas

17 de mai de 2012

Jogos na sala de aula–dominós

Eu tenho um dado de espuma que comprei há alguns anos, daqueles bem grandes e coloridos, e todas as vezes que o levo à sala de aula meus alunos ficam assanhadíssimos assim que entro com ele. Os mais distraídos são logo acotovelados pelos mais espertos, que assim justificam seu estado de animação.

Tudo isto porque há alguns anos percebi que muitas vezes uma longa e tediosa revisão pode ser substituída com vantagens por um ou mais jogos educativos.

Aprendi também a adaptar jogos tradicionais às minhas necessidades (ou de meus alunos) e uso-os bastante para praticar ou revisar vocabulário, gramática, fonética e até interpretação de textos.

Prometi a mim mesma que essa semana faria uma série de artigos mostrando como usar esses jogos tradicionais em sala, adaptando-os à matéria que você tem para revisar com seus alunos, mas só hoje foi possível começar, e essa série deve entrar pela semana que vem adentro, porque há muita coisa para compartilhar.

Quais as vantagens de usar jogos?

Essa pergunta muitos colegas me fazem, e consigo me lembrar de algumas, que são as que uso mais frequentemente:

1) Todos participam. Quando fazemos uma revisão no papel e a passamos para os alunos, temos sempre alguns números para verificar seu alcance. No meu caso, a coisa fica mais ou menos assim:

Entre 20 e 30% fazem todos os exercícios e pedem explicações para fazer os exercícios nos quais têm dúvidas.

Entre 20 e 30% fazem parcialmente, deixando sem fazer o que não sabem e que seria exatamente o que deveriam fazer para aprenderem o que ainda não sabem.

O restante dos alunos:

a) uma parte diz que perdeu a folha.

b) uma parte diz que não teve tempo de fazer (deve ser a timeline do Facebook que atrapalha…).

c) uma parte diz que não conseguiu fazer.

d) uma parte diz que esqueceu de fazer.

e) uma parte arregala os olhos e pergunta: “Era para hoje???”

Quando trabalho com jogos todos participam e mesmo em classes de adultos (que não gostam muito de se expor) a aceitação beira 100%.

2) Eles não se cansam. Se você tem bastante coisa para revisar (antes de uma prova, por exemplo) eles costumam reclamar que há muitos exercícios, que não entenderam o enunciado, e até exclamam: outra folhinha!!! Quando a revisão é feita com jogos eles não reclamam e mesmo jogos com muita matéria, que duram até horas são bem aceitos.

3) Gasta-se pouco material. Quando preparamos uma apostila de 3 páginas para uma sala de 40 alunos temos que imprimir ou tirar 120 cópias. Pensando naquele primeiro ítem mencionado acima, já sabemos de antemão que apenas 30 ou 40 delas serão usadas da forma que deveriam.

Se preparamos boardgames para uma classe de 40 alunos, temos que imprimir 10 páginas (uma para cada grupo de 4 alunos). No caso do dominó, onde mesmo quem assiste aprende e participa, temos que imprimir 2 páginas!

4) Tempo. Quanto tempo você gasta para elaborar uma apostila de 2 páginas com exercícios? Algumas horas, creio eu. Para preparar um dominó (sobretudo se for um recurso que sempre usa, e que já tenha um modelo pronto) você apenas terá que procurar as imagens, para preparar não levará mais que 30 minutos.

5) Diversão. Será que algum de nossos alunos se diverte preenchendo duas páginas (ou mais) de exercícios? Os que fazem é por obrigação, e mesmo entre esses, alguns confessam que fizeram durante outras aulas, ouvindo música, enquanto estavam na internet, etc. Isso significa que fizeram de forma mecânica, sem muito “cérebro” envolvido. Resultado: vão aprender pouco, mesmo aqueles que fizeram todos os exercícios.

Onde o dominó se encaixa no aprendizado?

Se estamos ensinando ou revisando vocabulário, basta colocar figuras e palavras, na hora de encaixar o aluno terá que encaixar palavra com palavra, figura com figura ou figura com palavra, e nesse momento ele irá aprender a ligar a palavra à figura.

Em aulas de idioma eu peço também aos alunos que falem a palavra enquanto encaixam o dominó, então também irão exercitar-se oralmente e melhorar pronúncia. Os que estão assistindo também estão vendo e ouvindo, então também estão aprendendo.

Como além do fator “sorte” também precisam aprender a encaixar as peças, farão força para memorizá-las em algo que considerarão útil no momento (vencer a competição) e depois de memorizarem, se você der chances para que pratiquem sempre, não vão mais esquecer.

Se os alunos são de nível avançado também podemos usar dominó para revisar vocabulário. De um lado coloque a palavra e do outro sua definição.

Também pode ser usado para qualquer coisa. Basta de um lado colocar definições e do outro, a palavra, nome da pessoa. Por exemplo, de um lado coloque a figura de uma invenção e do outro coloque os nomes de seus inventores. Ou coloque o desenho de um osso de um lado, seu nome do outro. Ou coloque a bandeira de um país de um lado, o nome do país de outro. Coloque o mapa do país de um lado, o nome do país do outro. Coloque de um lado o Estado e do outro, a capital.

Se você usar sua criatividade encontrará milhares de formas de usar dominós para revisar sua matéria.

Um jogo sempre tem que divertir

Lembre-se, entretanto, que um jogo tem sempre um objetivo: competir, ganhar, divertir. Nunca prepare um jogo que não respeite as características principais do jogo.

Quando comecei a preparar dominós eu incluía dezenas de coisas ao mesmo tempo e os alunos se frustravam porque o jogo não “dava certo” e ninguém ganhava no final.

Para que o dominó “dê certo”, você tem que incluir 7 tópicos de cada vez, matematicamente distribuídos em 28 peças, como um dominó de números. Se você incluir mais, deve respeitar essa distribuição matemática e o número de peças resultantes dessa quantidade de tópicos diferentes.

Veja abaixo a quantidade de pedras para cada quantidade:

Duplo 6    28 pedras    (o que eu utilizo)
Duplo 9    55 pedras   
Duplo 12    91 pedras   
Duplo 15    136 pedras
Duplo 18    190 pedras

Lembre-se que no seu jogo cada um 7 dos elementos deve corresponder a cada um dos outros 6 e a si mesmo, para que no final alguém consiga ganhar (ficando sem peças). Se você combinar aleatoriamente pode acontecer de todos os jogadores ficarem com peças que não terão como encaixar, ou seja, ninguém irá ganhar, e isso é frustrante para os alunos.

Jogando com 28 pedras (com 7 elementos trabalhados) podemos jogar com 4 alunos de cada vez, que serão substituídos por outros 4 a cada rodada. Os demais assistem o jogo e dessa forma também aprendem. Se você precisar trabalhar muitos tópicos de uma vez seria melhor usar um bingo ou jogo da memória, que serão tratados aqui em artigos futuros, aguarde!

Podemos dividir a classe em 4 grupos e em cada rodada um membro de cada grupo joga, ao final o grupo que tiver mais membros vencedores será o campeão.

Uma rodada demora entre 15 e 20 minutos, talvez até menos. Numa aula de 45 minutos 12 ou 16 alunos poderão jogar. Na aula seguinte ou na semana seguinte, no mês seguinte, você traz outro jogo com outrso 7 elementos e mais 16 alunos jogarão.

Outra ideia é preparar vários sets de dominós e cada grupo de 4 joga com um, o professor revisa os encaixes antes de declarar a vitória do vencedor. Pode revesar os grupos para jogarem com um set diferente a cada nova rodada.

Você pode estabelecer um campeonato, com jogos semanais, cada semana 8 alunos se enfrentam em 2 rodadas. Os outros assistem, torcem e – aprendem!

Nas próximas postagens vou explicar aqui como jogar o dominó adaptado, como prepará-lo e como tirar dele o máximo para torná-lo um recurso eficiente no aprendizado de seus alunos.

Para receber as postagens, use uma das formas de associação disponíveis na lateral do blog.

Nos links abaixo você encontrará jogos adaptados para suas aulas:

INGLÊS

ESPANHOL

PORTUGUÊS

Zailda Coirano – SOS Idiomas 

8 de mai de 2012

Livro com dinâmicas do Coelho da Cartola

O blog já tem mais de 200 postagens, caminhando para as 300 e nem sempre os professores encontram o que querem. Também há professores que não conhecem o blog e não têm tempo ou o costume de ler blogs.

Se você deseja ter a coletânea das melhores brincadeiras e dinâmicas do blog, agora estão à disposição em formato pdf na Loja Virtual, não foi fácil escolher o que colocar no ebook, mas tentei colocar aquelas que tiveram mais comentários ou pedidos.

No link abaixo você encontrará não só o livro de dinâmicas como também outros artigos especiais que talvez interessem.

APOSTILAS ESPECIAIS

Zailda Coirano – SOS Idiomas 

2 de mai de 2012

Fórum no blog

Não sei se notaram, mas o blog tem uma nova página, que vocês poderão acessar na cabeceira, logo abaixo da logo: o fórum.

Temos aqui um muralzinho de recados, mas não era exatamente o que eu queria; há um formulário de contato, mas a conversa fica restrita a duas pessoas. Então achei que um fórum poderia ajudar mais, poderíamos trocar ideias de forma mais ágil e ficariam lá nossas conversas para consultas posteriores.

Basta acessar a página e esperar carregar (dependendo de sua conexão poderá demorar alguns segundos) e começar a usar.

Bem, está dado o recado! Todos são bem-vindos no fórum do blog!

Zailda Coirano – SOS Idiomas 

26 de abr de 2012

Corrida de carros – para todas as matérias

Capa corridaA Loja Virtual já existe há 1 ano, com apostilas e jogos para professores de francês, alemão, inglês, espanhol e português (para brasileiros e estrangeiros). Hoje coloquei online o segundo jogo em PowerPoint (com efeitos) para professores de português (para alunos brasileiros e estrangeiros), que também serve para todas as matérias.

O jogo já está pronto, para usar em sua matéria basta escrever 15 perguntas dos tópicos que você quer que seus alunos pratiquem ou revisem no modelo incluído no pacote. No pacote também estão todas as instruções necessárias para que o jogo seja o mais prazeroso e proveitoso possível para você e seus alunos.

O jogo também está disponível em inglês, português, alemão e espanhol. Visite a Loja para ver todo o material disponível, são 104 produtos para dinamizar sua aula ou poupar seu tempo, já que está tudo preparado, é só usar.

Link citado nesta postagem:

CORRIDA DE CARROS – JOGO EM POWERPOINT

Zailda Coirano – SOS idiomas

24 de abr de 2012

Jogo em PowerPoint para professores de inglês

Hoje coloquei na Loja Virtual mais um jogo para os professores de inglês. É uma corrida de carros com efeitos de som, os carros vão se movimentando à medida que os alunos vão acertando as perguntas.

Junto com os slides, coloquei também um set de 15 perguntas (5 para cada grupo / cor), um modelo para você criar suas perguntas (está pronto, é só digitar e salvar) e um arquivo com instruções e sugestões.

Amanhã devem ficar prontas as versões em português (que poderá ser usado para todas as outras matérias, já que as perguntas quem faz é você) e espanhol.

Minha sócia Silvia Lefèvre também deve me enviar até o final da semana as traduções para colocar no site as versões em alemão e francês.

Visite a loja regularmente, quase todos os dias estou colocando novidades!

Links citados nesta postagem:

Car race

Zailda Coirano ǀ SOS Idiomas

20 de abr de 2012

Jogo de bandeiras

Já fazia algum tempo que eu estava querendo preparar alguma coisa que fugisse das matérias que leciono e surgiu a oportunidade. Sempre preparo coisas que uso com meus alunos, então fico naquela: português, espanhol ou inglês.

Essa semana preparei um jogo sobre bandeiras brasileiras para a aula de geografia.

É um jogo da memória, cada bandeira é representada em dois cartões, um com a imagem e outro com o nome do estado.

Na apostila (em pdf, você deve ter o Adobe Reader ou equivalente instalado para abrir e imprimir) há todas as bandeiras + o verso dos cartões e instruções para a confecção e como jogar, o resto é com vocês.

Sugiro que leve um prêmio (mesmo que seja uma coisa simples como uma caneta, uma borracha colorida ou um bombom) para o ganhador, dessa forma os alunos se empenharão mais para vencer.

Para baixar a apostila use o link abaixo:

BANDEIRAS BRASILEIRAS - JOGO DA MEMÓRIA (DOWNLOAD)






Visite a Loja Virtual SOS Idiomas, com jogos (em pdf e PowerPoint) para tornar sua aula mais proveitosa para seus alunos e a prática mais divertida.

9 de abr de 2012

Coelho na páscoa

Ontem foi domingo de páscoa, então o coelhinho ficou de folga. Mas nem por isso esqueci dos colegas que procuram coisas novas para usar com seus alunos. Estou pensando em trabalhar com outras matérias, mas como não sou professora de outras matérias preciso da ajuda dos leitores do blog.

Recebo muitos pedidos de jogos para usar em várias matérias, mas são todos muito subjetivos para que eu possa ajudar. São pedidos como “uma dinâmica para trabalhar história geral”. Eu não vou pesquisar para criar meios de inserir tópicos em jogos dessa forma. Você é o professor e sabe exatamente o que poderia ser usado num jogo, então me ajude a ajudar. Envie a matéria que deseja ver inserida num jogo, porque eu – infelizmente – não tenho tempo para pesquisar a respeito.

Seja objetivo, envie as questões que quer ver inseridas, se quer palavras cruzadas envie também as respostas.

Os professores que me enviaram a matéria que querm trabalhar já foram atendidos, por email ou postagens aqui do blog.

E boa páscoa – mesmo com atraso!

Zailda Coirano

Website    Loja Virtual   Web Rádio   Facebook   Twitter

28 de mar de 2012

Formando pares

Muitas atividades sugeridas aqui, como os role-playings, sugerem a formação de pares. Quando pedimos aos alunos que formem pares o que acontece é que ou eles formam sempre os mesmos e sempre sobram 3 alunos que ficaram de lado, ou eles fazem a maior muvuca e acabam gastando minutos preciosos que poderiam ser usados de uma maneira mais proveitosa.

Pensando nisso eu nunca digo “vamos formar pares”. Eu sempre faço joguinhos da memória, em um cartão ponho uma figura e no outro o nome do objeto, então quando vou formar par embaralho as cartinhas, dou uma a cada um e peço para procurarem seu par.

Ah, dirá você, mas eles vão perder muito tempo da mesma maneira. Mas acontece que esse tempo não será “perdido” por dois motivos:

1) Enquanto procuram seu par também estão praticando o que aprenderam.

2) Formarão par com alunos que não escolheriam se fossem formar da maneira deles, promovendo assim uma maior integração dos alunos.

Essa sugestão também pode ser usada com alunos no primeiro dia de aula, para que se conheçam. Passe os cartões e depois uma ficha para que cada um entreviste seu par. Depois é só recolher as fichas com as informações preciosas sobre seus alunos que você poderá usar na hora de preparar sua aula.

Zailda Coirano

Nessa postagem você viu algumas sugestões para criar pares.

Website   Web Rádio   Loja Virtual   Facebook   Twitter 

14 de mar de 2012

Papéis trocados

Esse jogo é muito usado em grupos e em psicanálise,  costuma surtir bons resultados. Em aulas de idiomas ele também fornecerá prática oral e auditiva, porque será realizado no idioma ensinado.

O jogo consiste em criar duplas, e um dos alunos terá seu papel invertido. Por exemplo: ele será o pai do outro aluno (quando na verdade é filho na “vida real”), ou será professor do outro aluno, ou médico e outro será seu paciente.

A brincadeira consiste em criar diálogos possíveis, baseados em situações já vividas pelos alunos. Deverão apresentar-se à classe se houver tempo podem inverter os papéis novamente (quem é aluno vira professor, o médico da dupla vira paciente, etc.). O importante é que após terminar, os alunos devem dizer o que sentiram, como é ser professor, médico, etc.

Se possível, peça aos alunos para escreverem sobre a experiência, o que mudou na imagem que tinham das pessoas no papel que representaram, etc.

O professor também pode propor situações, em turmas mais avançadas:

- você é médico e o paciente está aqui porque não tomou o remédio que você receitou e piorou.

- você é professor e seu aluno não fez a tarefa.

- você é pai e pegou seu filho fumando no quarto.

E assim por diante.

Zailda Coirano

Neste artigo você aprendeu como inverter os papéis para que os alunos se conscientizem de outro ponto-de-vista.

Website   Loja Virtual   Web Rádio   Facebook @zaildacoirano

11 de mar de 2012

Formação de grupos

A hora de formar grupos é um problema, essa é uma forma que além de reduzir o “trabalho” e o tempo que os alunos gastam para formar grupos, ajuda a praticar o que aprenderam ao mesmo tempo.

Se você é professor de biologia e quer formar 4 grupos de 5 alunos, escreva numa folha 5 nomes de ossos, 5 nomes de órgãos, 5 elementos da célula, e assim por diante. Corte os nomes e dobre, entregue aos alunos. Cada aluno formará grupo com os outros alunos que tiraram nomes que “combinam”.

Quando formarem os grupos, peça a cada grupo que explique porque estão juntos. Eles devem dizer: porque pegamos nomes de ossos, por exemplo.

Dependendo dos tópicos ensinados o professor pode usar nomes que tenham algo em comum e os alunos terão que descobrir do que se trata. Gastarão tempo, é verdade, mas não será em vão. Será uma revisão do que aprenderam.

Da mesma forma um professor de idiomas poderá colocar 5 utensílios da cozinha, 5 objetos escolares, 5 partes do corpo, e assim por diante. O professor de geografia colocará 5 países, 5 tipos de solo, e assim por diante. Se for literatura, 5 escritores importantes de cada período. Ou 5 obras de cada autor.

O que você vai usar para que os alunos pratiquem depende do que ensinou, do que quer que pratiquem. Pode fazer isso cada vez que for trabalhar em grupo, usar o mesmo grupo durante o mês todo e depois trocar, praticando outros tópicos.

Zailda Coirano

Nesse artigo você aprendeu como formar grupos e praticar a matéria ao mesmo tempo.

Website   Loja Virtual   Web Rádio   Facebook   Twitter 

9 de mar de 2012

Dinâmica com música para apresentações

Essa dinâmica serve não só para a primeira aula em classes onde os alunos não se conhecem, como também para promover o entrosamento no primeiro dia de um curso ou encontro, por exemplo.

Os adultos e adolescentes são tímidos por natureza e precisam de “uma mãozinha” para quebrarem o gelo e apresentarem-se. Essa é uma forma divertida de conseguir que se conheçam ou que tenham o primeiro contato. A vantagem é que a música ajuda a desinibir, então esse contato será muito mais fácil.

Em primeiro lugar escolha uma música – ou várias, se houver bastante gente e tempo disponível – bem animadas. Peça que formem dois círculos, um dentro do outro, de mãos dadas. No círculo de fora devem virar-se para o interior do círculo e ir em uma direção; no círculo de dentro devem virar-se para o exterior e girar na direção contrária.

Dessa forma estarão virados uns para os outros. Os dois círculos devem ter mais ou menos o mesmo número de pessoas, então você pode primeiro formar duas filas, uma de cada lado da classe e pedir que se organizem, metade em cada uma. Peça que a fila da esquerda forme o círculo de dentro e que a fila da direita forme o círculo de fora.

O importante é que estejam de mãos dadas, e que girem em direções contrárias, um círculo de frente para o outro.

O professor começa a tocar a música, as filas vão dançando uma na direção contrária à outra. Toque por alguns segundos e pare, quando a música parar eles devem soltar as mãos e apresentar-se para a pessoa que estiver de frente para ele no momento em que a música parou. Podem dizer o nome, a idade, ou qualquer coisa que os identifique.

Dê alguns segundos para que se apresentem e toque de novo, eles devem dar as mãos e continuar girando até a música parar de novo, quando se apresentarão para quem estiver de frente para eles dessa vez.

Continue assim até que a música tenha parado e recomeçado várias vezes, de acordo com o número de participantes e o tempo disponível.

Zailda Coirano

Nesse artigo você aprendeu a preparar uma dinâmica de apresentação com música.

Website   Web rádio   Loja Virtual   Facebook   Twitter 

6 de mar de 2012

The blind game

Esse jogo destina-se a trabalhar vocabulário e foi originalmente proposto para o idioma inglês, mas pode ser usado também para trabalhar vocabulário e pronúncia em espanhol.

Preparação

Leve vários objetos para a classe, dentro de uma caixa. Os objetos devem fazer parte do vocabulário conhecido pelos alunos ou que você pretende que eles pratiquem.

Como jogar

Cada um em sua vez, o aluno é vendado (amarrando-se um lenço sobre seus olhos), coloca a mão na caixa retira dela um objeto. Deve então pelo tato reconhecê-lo e dizer seu nome.

Os outros alunos podem ajudá-lo ou confundí-lo, dizendo sempre a verdade sobre o objeto, com informações como:

- It’s green.

- It’s used in the kitchen.

- I have 3 of them.

E assim por diante.

Acertando ou errando, o objeto é retirado da caixa e o próximo aluno deverá então jogar.

O ganhador será quem acertar o maior número de objetos.

Uma variação do jogo: depois que todos jogaram, os alunos podem falar ou escrever sobre o objeto: para que é usado, se o têm em casa, quanto custa, etc.

Zailda Coirano

Nesse artigo você aprendeu como usar “blind game” para praticar vocabulário e pronúncia.

Website   Web Rádio   SOS Idiomas   Blog   Facebook   Twitter 

5 de mar de 2012

Jogos cooperativos X Jogos competitivos

Crianças e adolescentes gostam de competir e o objetivo de “ganhar o jogo” faz com que percam a apatia, timidez e o medo de errar, transforma alunos calados e distraídos em jogadores altamente ativos e participantes.

Por outro lado os adultos têm medo de perder e numa classe com alunos mais velhos os jogos cooperativos podem surtir um efeito bem melhor porque ninguém se sente “exposto”, a tônica é colaborar.

Como preparar e adaptar

Pegue qualquer jogo bem conhecido (tipo a dança das cadeiras) e adapte-o para que ao invés de competirem e haver apenas um ganhador (que será o único que irá apreciar totalmente o jogo) todos colaborarão uns com os outros e todos se divertirão e aprenderão.

No caso da dança das cadeiras, que tal ir retirando as cadeiras mas não retirar nenhum jogador, assim eles terão que se acomodar nas que vão sobrando até que reste apenas uma? Terão que sentar-se na ponta da cadeira, no colo uns dos outros, terão que segurar-se nos outros para equilibrarem-se sobre a cadeira.

Com certeza darão muitas risadas e aprenderão as vantagens de colaborar uns com os outros. Ao terminar a brincadeira dessa forma, pergunte a eles o que acharam, o que aprenderam. Pode-se também fazer a brincadeira da forma tradicional (tirando uma cadeira e um jogador, o ganhador será o último a sentar-se na última cadeira restante) e depois da forma sugerida acima?

Ao terminar as duas versões, pergunte aos jogadores o que acharam de diferente da primeira e da segunda versões. Pergunte como se sentiram jogaando cada uma. Pergunte o que aprenderam com a brincadeira, o que acham que você queria passar a eles com ela.

Usando a brincadeira para praticar

Claro que o professor não pode perder essa chance de fornecer prática em sua matéria. Se você é professor de idiomas, use na brincadeira uma música que você já ensinou a seus alunos, que eles saibam cantar. E peça que a cantem enquanto jogam.

Bom divertimento a todos!

Zailda Coirano

Nessa postagem você aprendeu a transformar jogos competitivos em jogos cooperativos e como usá-los para praticar o que ensinou.

Website   Loja Virtual   Web Rádio   Blog   Facebook   Twitter 

3 de mar de 2012

Enquetes do blog–participe!

Enquete é o “must” do momento, e o “coelho” não podia ficar para trás! As enquetes ajudam muito porque são uma forma de feedback que não gasta tanto tempo quanto um comentário, todos os votos são anônimos e os resultados são preciosos para o autor do blog, porque indicam as tendências dos leitores, que são a parte mais importante de tudo isso.

Saber sua opinião é muito importante, e sempre uso os resultados das enquetes publicadas aqui para nortear minhas postagens. Não perca tempo, há duas enquetes ativas na aba lateral esquerda do blog, dê sua opinião.

Zailda Coirano

Nessa postagem você foi convidado a dar sua opinião nas enquetes do blog porque elas são uma forma ágil e rápida de informar ao autor sobre suas preferências.

Website   Web Rádio   Loja Virtual   Blog   Facebook   Twitter 

28 de fev de 2012

Conquiste na primeira aula

Há muita procura de dinâmicas para usar no primeiro dia de aula e essa iniciativa demonstra que a maioria dos professores está interessada em cativar e motivar seus alunos desde o primeiro dia. O que não podemos esquecer, entretanto, é que não basta fazer uma atividade introdutória divertida e cativante se o restante da aula for chato e arrastado.

Se você começa com uma atividade motivadora e interessante, mas após esses minutos iniciais mergulha na mesmice que os alunos detestam, todo o seu esforço para conquistá-los cai por terra. Pior ainda: eles irão perceber que a dinâmica foi apenas um disfarce, como aquela bala que o farmacêutico dá às crianças antes de aplicar uma dolorida injeção.

Ninguém é bobo e se a dinâmica é usada apenas para mascarar um conteúdo apresentado de forma monótona, se as atividades que você vai apresentar são aquelas mesmas de sempre, está na cara que essa primeira boa impressão irá esvair-se como fumaça no ar.

Para evitar que isso aconteça sua preocupação não deve ser apenas com os primeiros minutos da primeira aula, mas para toda a sua primeira aula e todas as outras que virão depois dela.

Quantas vezes um rosto bonito ou um sorriso simpático nos conquista, mas após alguns minutos de conversa descobrimos que o dono ou a dona daquele visual tão bonito ou daquele rosto tão simpático na verdade não é nada daquilo que imaginamos? Não vamos nós também encantar nossos alunos para “desencantá-los” no minuto seguinte. Todos os relacionamentos – e aí também se inclui o de professor x aluno – deve ser construído e fortalecido a cada dia. Para que isso aconteça da melhor forma possível temos que mostrar coerência em nossas atitudes.

De nada adianta distribuir sorrisos e gracinhas no primeiro dia, fazer um jogo, deixá-los à vontade e depois agir como se eles nem estivessem lá. Todas as aulas devem ser preparadas com carinho e procurando formas para inserir o conteúdo na vida dos alunos, favorecendo motivação, interesse e aprendizado.

Se você é um professor que conduz a aula com monólogos, que berra o tempo todo ou que apenas segue o livro adotado como se todos os alunos fossem iguais, seu primeiro passo deve ser rever suas atitudes, perceber formas de aproximar-se dos alunos para conseguir deles a melhor resposta possível. Fazer uma atividade divertida no primeiro dia e depois simplesmente jogar matéria aos berros só irá fazer com que eles percebam que aquele professor do primeiro dia foi um engodo, um doce dado antes do remédio de sabor desagradável.

Se você está preocupado com sua primeira aula já é um bom indício, o primeiro passo está dado. Só falta agora dar todos os outros para conseguir a mágica de conquistar seus alunos desde o primeiro momento. E que essa conquista seja eterna enquanto dure.

Zailda Coirano

Nesse artigo você aprendeu que uma dinâmica não irá fazer com que seus alunos gostem de sua aula se você não prosseguir o ano todo preparando aulas customizadas e interessantes.

Website    Blog    Web Rádio    Loja Virtual    Facebook    Twitter 

17 de fev de 2012

Dinâmicas por encomenda

emailQueridos leitores, estou com um problema que não chega a ser sério, mas que é muito chato. Eu estou recebendo alguns pedidos que não posso responder. O problema não é grave, como eu já disse, mas eu gostaria de saná-lo o mais rápido possível, e para isso conto com a compreensão e com alguns minutos do seu tempo para ler essa postagem aqui.

Eu quero muito ajudar, e antes de ter um blog eu enviava por email as dinâmicas que criava, adaptava ou usava com meus alunos. Naquele tempo eram pouco mais de uma dúzia, mas que eram todas testadas e com bom resultados obtidos.

Os anos passaram, o número de dinâmicas cresceu e eu resolvi escrever esse blog aqui, para dessa forma ajudar o maior número de pessoas, chegando aos colegas que não me conheciam e por isso não podiam me mandar emails pedindo dicas.

A coisa cresceu, a ideia foi em frente, eu vi que estava ajudando e fui postando. Agora o blog caminha para 2 milhões de visitas, com cerca de 30.000 visitas diárias.

No blog há mais de 150 artigos com jogos, dinâmicas e ideias para tornar sua aula mais interessante. Quando eu uso as dinâmicas, adapto-as ao ensino de idiomas porque eu leciono inglês, espanhol e português para estrangeiros, mas sempre deixo claro que qualquer dinâmica ou jogo podo ser adaptado (e aí entra a sua criatividade) para qualquer outra matéria.

Algumas dinâmicas aqui do blog - com as quais eu tive contato por colegas, mas percebi que teriam melhor efeito se usadas em outras matérias - já estão adaptadas para matemática, história, ciências, etc.

Há dinâmicas para motivar os alunos, para discipliná-los, para melhorar sua participação nos trabalhos em grupo. Há jogos para praticar a matéria ensinada, outros para prepará-los para aprender (atenção, concentração, memorização, etc.).

Tudo o que você precisa fazer é procurar. Para isso coloquei aí na lateral do blog abaixo de “busca” várias formas para você encontrar o que precisa. Se você não quer perder tempo procurando (mesmo que eu ache que lendo vários artigos você conseguirá ideias que o inspirarão na preparação de aulas mais divertidas), tudo bem. Abaixo de “inscrições” há várias formas de inscrever-se no blog para receber as postagens em seu email assim que forem publicadas aqui, dessa forma você só vem visitar quando algo que será útil para você for publicado.

Mas o que eu não posso fazer é enviar dinâmicas para o email de ninguém. Com 30.000 visitas diárias, imaginem quantos pedidos dessa natureza eu recebo todos os dias. Mesmo quando eu tinha aqui um formulário de pedido de dinâmicas, quando eu as tinha elas eram publicadas no blog, quem pediu só tinha que vir aqui e ler.

Se fosse para mandar por email, por que razão eu escreveria um blog? E para que serviriam essas dinâmicas todas aqui, se cada um que entrasse nem se desse nem ao trabalho de ler e procurar e simplesmente me enviasse um pedido para enviar para seu email?

Para vocês verem, essa semana recebi vários pedidos para enviar por email a “dinâmica das bexigas”. Essa dinâmica foi publicada duas vezes aqui no blog com versões diferentes, para encontrá-las basta colocar na caixinha de pesquisa na lateral do blog “bexigas” e ela vai aparecer, como o coelho do mágico sai da cartola.

Mas isso não é mágica, é lógica pura. Se eu estou num blog com dinâmicas, não seria melhor eu ler – pelo menos – as 150 que estão postadas, ou então eu procurar o que eu preciso antes de pedir o que eu quero? Infelizmente eu não posso atender e nem ao menos responder, porque são tantas as pessoas que me escrevem pedindo o que está no blog que se eu fosse responder a todos teria meu email excluído por mandar spam ou não faria mais nada. Nem me sobraria tempo para ajudar os colegas preparando outras dinâmicas.

E se eu fosse fazer isso eu iria ficar desmotivada para manter esse blog aqui…

CC assinatura

 

 

Website      Blog      Rádio      Loja Virtual      Facebook      Twitter

11 de fev de 2012

Primeira aula–apresentação com cartas de baralho

200px-Anglo-American_card_suitsPreparei um jogo para o primeiro dia de aula usando as cartas de baralho. Para fazer o jogo você deve imprimir as 4 páginas do arquivo pdf (a quinta página contém instruções) que está disponível para download no final dessa postagem e colar na lousa ou em outro local que seja visível para os jogadores.

Leve um baralho, em sua vez o aluno tira uma carta de baralho e depois responde à pergunta correspondente à carta que tirou na lista de perguntas. Após cada resposta os outros grupos avaliam se a resposta foi sincera ou não. Quem “convencer” o maior número de alunos será o vencedor do jogo.

Enquanto os alunos jogam você poderá ir anotando as respostas, dessa forma terá meios para saber um pouco mais sobre os alunos para preparar aulas “customizadas”, que funcionam melhor que aulas padronizadas.

Para fazer download do arquivo pdf clique no link abaixo:

Cartas de baralho – primeira aula (download)

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Web Rádio Facebook Twitter

10 de fev de 2012

Primeira aula–dinâmica dos adjetivos

cartoon-people-figure[3]Para quem tem alunos adolescentes ou adultos essa dinâmica irá ajudar para que se conheçam melhor desde o primeiro dia de aula. A preparação é simples: abra um documento do Word e crie uma lista de adjetivos com o mesmo número dos alunos em cada sala.

Depois é só imprimir e recortar, dobrar e colocar dentro de um saquinho de papel ou dentro de uma caixa.

Enquanto faz a chamada, cada aluno ao ser chamado irá retirar um papel de dentro da caixa. Se você ensina idiomas os adjetivos devem ser no idioma que ensina, dessa forma a dinâmica servirá também como uma revisão.

Se forem alunos avançados a dinâmica poderá ser no idioma ensinado, para alunos de nível elementar e intermediário ela pode ser desenvolvida em português, com os adjetivos em inglês ou espanhol.

Terminada a chamada, cada aluno deve ler o adjetivo que tirou e explicar se aplica-se a ele ou não. Por exemplo, se o aluno tirou “preguiçoso” deve explicar que não é preguiçoso porque sempre faz sua lição de casa em dia; caso contrário deve dizer que é preguiçoso porque tem dificuldade para levantar de manhã para vir para a escola, e assim por diante.

O professor pode facilitar o entendimento dos alunos tirando ele próprio um adjetivo e explicando porque aplica-se ou não a ele. Nesse caso faça um a mais para você.

Como você não conhece a classe, mas eles provavelmente se conhecem, assim que o aluno terminar de falar quem acredita que ele está dizendo a verdade deve levantar a mão. Conte quantos levantaram a mão e anote, o aluno que tiver o maior número de “pontos” (mãos levantadas) atribuídas a ele será o vencedor. Sugiro que leve algo para premiá-lo, que não precisa ser nada de muito valor: uma caneta, um bombom ou um pacote de balas serão suficientes.

Zailda Coirano

Website Loja Virtual Web Rádio Facebook Twitter

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...